105 anos de minha sogra

Cento e cinco anos de idade
De uma história edificante
Numa longa trajetória
Da qual falo neste instante
Além do quanto escrevi
Cada vez mais exultante.
.
Dona Hilta, a minha sogra,
Nome próprio Severina
Alves dos Santos, família
Dessa honrada nordestina
Que de Patos, Paraíba,
Jamais negou sua sina.
.
Labutou a vida inteira
Com seu José Bernardino
O marido sempre alegre
Mais parecia um menino
Em qualquer dificuldade
Na constância do destino.
.
Uma prole numerosa,
Oito filhos dividida
Quatro homens, quatro mulheres,
Sob a conduta mantida
Por ser a mãe dadivosa
Ao longo de toda vida.
.
Hoje resta deitadinha,
Sussurrante em sua cama;
Quando se sente cansada
Pelas cuidadoras chama,
Como sempre poderosa,
Do que não gosta reclama.
.
Bem cuidada e limpinha,
Gosta de ser bem vestida;
Cabelos bem penteados
Alegre, descontraída,
Lembra-se de datas e nomes,
De outras coisas, esquecida.
.

Conversando com as filhas,
Aos gracejos respondendo
Sorrindo, quando lhe pedem
Ou diz que está sofrendo,
Mas sem ter uma doença
Da qual viva padecendo.
.
Tem apego pela vida
E jamais deseja a morte
Apesar da sua idade
O seu senso é muito forte
Mas teme ficar sozinha
Sem ter alguém que a conforte.
.
Muitas crises já viveu,
No Brasil, lá no passado,
Porém dessa pandemia,
Nada lhe foi revelado,
Rogando a Deus que a proteja
Contra esse vírus malvado.
.
Até quando viverá
Essa dócil criatura?
Até quando a companhia,
Que abençoada perdura?
Dessa querida velhinha
Pela qual temos ternura.
.
Quem me dera viver tanto,
Sem nada me apavorar,
Sem dar trabalho a ninguém,
Além do que possa dar
Bem do jeito que ela vive
E que merece durar.
.
Parabéns, querida sogra,
Por mais um aniversário
Saúde, conforto e paz,
No resto do itinerário
Que registra cento e cinco,
Nas páginas do calendário.
.

José Walter Pires
16.06.20

José Walter Pires

José Walter Pires

Categorias