A pouca expressividade de candidatura negra na política

Aproveito o artigo publicado no jornal Diário Popular de Pelotas/RS, que analisa o reduzido interesse de candidatura negra às prefeituras da região, não chegando a 5%, para fazer alguns comentários.

As diferenças sociais – que impedem a ascensão, por exemplo, do negro aos patamares superiores das estruturas políticas – existem em todos os países e não é uma mácula exclusiva brasileira. É necessário, no entanto, que os segmentos negros sejam mais solidários com os afrodescendentes sem esquecê-los quando alguns galgam projeção social.

Jamais vi, por exemplo, negros bem-sucedidos, como os negros jogadores de futebol, que ganham fabulosas fortunas, empregarem os seus prestígios para o fortalecimento de movimentos pró-causas de ascensão social dos negros.

Se não existe impedimento legal para candidatura política de negros, não há por que se questionar, como crítica social, a pouca expressividade de candidatos negros interessados na vida parlamentar.

O negro tem de manifestar interesse em participar da política e de defender as suas próprias agendas de inclusão social. O fato de, segundo o IBGE, a classe negra representar 50,74% da população brasileira, isso não significa necessariamente que o Parlamento tenha de ser de maioria ou metade negra.

A fixação de cotas para negros, por exemplo, para exercer mandato político, ou o estabelecimento de um percentual a ser preenchido por negros como nas candidaturas femininas, não vejo isso como justo, pois todos devem se submeter às mesmas regras sem nenhum privilégio.

Temos que sepultar de vez o ranço daqueles que sempre se reportam à época da senzala, como dívida herdada por todos não considerados negros. Ninguém hoje pode ser tachado de culpado pela barbárie aqui praticada por aqueles que introduziram a escravidão negra no Brasil.

Júlio César Cardoso

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado. Balneário Camboriú-Santa Catarina.
Categorias