Aplicativo semelhante ao Uber anuncia operação em Guanambi

Por Tiago Marques/ Agência Sertão*

 

O aplicativo RYD Brasil anunciou em sua página no Instagram que irá começar a operar o em Guanambi. Semelhante ao Uber, o serviço  de transporte de passageiros e encomendas estreou em Montes Claros em outubro do ano passado, onde funciona sua sede. O serviço foi lançando no último fim de semana e começa a funcionar no dia 1º de fevereiro.

Em Minas, além de Montes Claros, a RYD está disponível nas cidades de Janaúba, Pirapora, Curvelo, Patos de Minas, Paracatu, Uberlândia, João Pinheiro e Unaí. O aplicativo também já está em funcionamento em Parobé, Taquara e Igrejinha, no Rio Grande do Sul. Guanambi será a primeira cidade da Bahia a receber o serviço. O Giross, aplicativo semelhante voltado para mototaxistas e motoboys também anunciou que começa a funcionar em Guanambi nos próximos dias. “A primeira cidade da Bahia é Guanambi, recentemente fomos convidados a entrar na Cidade Vitória da Conquista, escolhemos Guanambi pois está virando um Polo Universitário”, explica Ricardo Odon, sócio fundador do RYD.

No aplicativo, o passageiro insere o destino desejado e aguarda até que um motorista disponível aceite a viagem. Antes de confirmar a viagem, uma estimativa do custo e do tempo de viagem aparece para o usuário. O pagamento pode ser feito com cartão de crédito ou em dinheiro. Os motoristas interessados devem baixar o aplicativo exclusivo, realizando o cadastro e enviando fotos dos documentos e do veículo. A empresa diz ainda que realiza uma vistoria presencial nos veículos antes de autorizar o uso do aplicativo.

 

Foto: Divulgação/Ryd

 

A avaliação do aplicativo pelos usuários no Google Play é 4.1 em uma escala que vai até 5. As avaliações negativas são geralmente pela demora na chegada do veículo, questionamentos respondidos pelo aplicativo que justifica estar ampliando o número de motoristas disponíveis na região do usuário. Segundo as estatísticas do Google Play, o aplicativo possui mais de 10 mil downloads, no entanto ainda não há versão para dispositivos com sistema operacional IOS. Já a versão para motoristas possui avaliação 4.4 e já foi baixada mais de mil vezes.

Diferente do Uber e de outros gigantes da área de mobilidade urbana, o RYD diz possuir um modelo de negócio inovador, que permite maior remuneração do motorista e viagens mais baratas para os passageiros. A diferença está no percentual das corridas, que segundo a empresa é bem menor do que das multinacionais. Além disso, taxistas regulares podem aderir ao serviço. Segundo a empresa, em apenas dois dias de uso de aplicativo é possível arrecadar o suficiente para pagar pelo seu uso. O aplicativo oferece ao passageiro escolher um veículo normal, um táxi regular, ou um motoboy para entrega de encomendas. O serviço de táxi convencional pode ter tarifas diferentes dos veículos normais.

Outra diferença para os aplicativos estrangeiros é que o serviço começou a ser implantado a partir do interior do país, em cidades menores, em algumas delas onde não é ofertado esse tipo de opção de mobilidade urbana. Segundo a empresa, somente no último fim de semana foram cadastrados 23 motoristas e 185 passageiros. Nesta semana começa a validação dos cadastros e no dia 1º de abril o aplicativo será lançando. Os veículos precisam possuir quatro portas e ano de fabricação a partir de 2008.

Pelo aplicativo já é permitido simular viagens em Guanambi. A Agência Sertão simulou algumas situações de corridas e valores. Em viagens de carro para até 4 passageiros, o valor mínimo da corrida é de R$ 7,50. O preço é composto de uma tarifa base de R$ 3,20, além do valor de R$ 1,30 por quilômetro rodado e de R$ 0,20 por minuto de viagem. Quando a demanda pelo serviço estiver mais alta, é aplicado um custo adicional às corridas. O serviço de delivery tem taxa base de R$ 0,75 e custo de R$0,50 por quilômetro rodado e R$ 0,10 por minuto de viagem, o valor mínimo é de R$ 3 por corrida.

Uma corrida com o RYD saindo do Banco do Brasil, no centro, com destino à Policlínica Regional, no bairro Santa Luzia, sai pelo valor mínimo R$ 7,50. Dos 2,14 quilômetros percorridos é cobrado o valor de R$ 2,78, pelos 6’30” paga-se R$1,26, mais a taxa base de R$ 3,20 e o adicional de taxa mínima para fechar os R$ 7,50.

 

Foto: Agência Sertão

 

Outra simulação é de uma corrida um pouco mais longa, saindo da UniFG, no bairro São Sebastião, até a Secretaria Municipal de Assistência Social, no bairro São Francisco. Neste caso, o passageiro vai pagar R$ 3,20 da tarifa base, mais R$ 7,63 pelos 5,87 quilômetros e R$ 2,22 pelos pouco mais de 11 minutos estimados de viagem, dando o total de R$ 13,05.

 

Foto: Agência Sertão

 

*Conteúdo originalmente publicado no site Agência Sertão.

Jornal do Sudoeste

Categorias