Após três meses de queda, IPCA tem alta em de outubro

As quedas foram de 0,68%, 0,36% e 0,29%, nos meses de julho, agosto e setembro, respectivamente. Instabilidade dos preços causa preocupação no mercado.

Por: Sophia Stein/Brasil 61

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) sofreu alta de 0,59% no mês de outubro após três meses seguidos de deflação. O índice de queda nos meses de julho, agosto e setembro foi de 0,68%, 0,36% e 0,29%, respectivamente.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o grupo vestuário teve a maior alta, 1,22%, mas a maior influência no índice geral veio de alimentação e bebidas, com crescimento de 0,72% e impacto de 0,16 ponto percentual (p.p.) no índice geral. Na sequência das maiores influências estão os grupos de Saúde e cuidados pessoais (1,16% e 0,15 p.p.) e Transportes (0,58% e 0,12 p.p.).

O IBGE informa que, no ano, o IPCA acumula alta de 4,70% e, nos últimos 12 meses, de 6,47%, abaixo dos 7,17% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em outubro de 2021, a taxa havia sido de 1,25%.

Outros grupos que tiveram alta:

  • Etanol +1,34%;
  • Transporte +0,58%;
  • Vestuário feminino +1,19%;
  • Vestuário masculino +1,70%;

Grupos que mantiveram a queda:

  • Gasolina -1,56%;
  • Óleo diesel -2,19%;
  • Gás veicular -1,21%;

O economista Renan Gomes afirma que a inflação mais alta afeta o bolso do consumidor, pois diminui o poder de compra devido ao salário não acompanhar essa mudança.

“A inflação também torna confuso o sinal que os preços dão para os consumidores. Quer dizer, eu avalio o valor de um produto e se eu posso comprá-lo, se está barato ou não, olhando para os preços, se os preços começam a subir todos de uma vez o consumidor não sabe se aquele produto simplesmente está encarecendo em relação aos demais ou se é um fenômeno inflacionário”, completa.

Foto de capa: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,