As consequências que o estresse financeiro pode ocasionar na vida das pessoas

Muitas pesquisas já mostraram os impactos negativos do estresse financeiro, mas por que nem sempre os conhecimentos e orientações recebidos, funcionam a longo prazo? Fazendo uma análise mais profunda sobre a causa de muitas situações noticiadas atualmente, podemos perceber que questões financeiras estão norteando muitas delas.

Quando ouvimos que imprevistos acontecem, que a inflação está afetando o custo de vida das famílias ou que a inadimplência tem aumentado, rapidamente conseguimos perceber a relação do dinheiro com essas notícias. Mas, será que o dinheiro também não tem relação com temas como a prática de atividade física, educação, relacionamentos, cultura e lazer, qualidade do sono, etc. Infelizmente sim, todos os pontos são afetados por questões financeiras?

Se aprofundarmos, iremos identificar o fundo financeiro em muitas delas. É muito claro para todos que é preciso recursos financeiros para as necessidades básicas, mas temos uma errônea percepção de que o dinheiro não afeta as relações com familiares, amigos, colegas de trabalho, que tudo o que temos que ter é tempo.

Quando se tem problemas financeiros as pessoas ficam tão preocupadas com as contas que precisam pagar que não conseguem priorizar lazer, família, educação e saúde. O trabalho geralmente fica em primeiro lugar pois é por meio dele que se tem dinheiro necessário para sobreviver. E é por isso que muitas pessoas têm sobrevivido e não vivido.

Daí a relevância da educação financeira, que é uma ciência humana totalmente relacionada com o comportamento das pessoas. Sendo fundamental ter a percepção de que ela atua na transversalidade, ou seja, impacta em todas as áreas da vida humana.

Dessa forma, o que é necessário fazer para efetivamente ter qualidade de vida, garantindo um equilíbrio entre todas as áreas da vida, é diagnosticar seu atual padrão de vida, avaliar se ele está atendendo aos sonhos, objetivos e necessidades de todas as áreas da vida, e adequá-lo para garantir o equilíbrio necessário.

Sempre recomendo para as pessoas que utilizem a Metodologia DSOP, sendo essa a chave para a avaliação e adequação da vida financeira das pessoas. Ainda recomendo para melhor essa aplicação, a realização da roda da vida, que é uma ferramenta de coaching bastante utilizada para executar avaliações pessoais. Através dela será possível ter uma fotografia atual das áreas da vida que precisam de mais atenção.

Na sequência desse processo se irá, refletir sobre como o dinheiro está impactando em cada uma das áreas e então, partir para a aplicação da Metodologia DSOP, que permitirá:

1. diagnosticar o atual padrão de vida e como está a saúde financeira naquele determinado momento,
2. ter clareza dos sonhos, objetivos e necessidades que norteiam sua vida,
3. definir um orçamento financeiro adequado a cada área da vida estabelecendo seu novo padrão de vida, e
4. mudar o comportamento para poupar com consciência para manter o equilíbrio da roda da vida.

Essas não são dicas, mas sim o caminho que garante qualidade de vida, realização de sonhos, tranquilidade e felicidade. Com isso as pessoas podem minimizar ou acabar com os impactos do estresse financeiro o que fará com que elas vivam mais intensamente.

Elizabeth Lima – Educadora Financeira e Franqueada Terapeuta Financeira na DSOP, membro da Associação Brasileira de Profissionais de Educação Financeira — ABEFIN. Formada em Ciências Contábeis e com 21 anos de experiência em empresas privadas, sendo 16 em multinacional.

Foto de Capa: Reprodução Freepik

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,