As mulheres na advocacia

Mesmo com desafios, o público feminino vem conquistando mais espaços em papéis de liderança

Por: Elisa Senra

Março é conhecido internacionalmente como o Mês das Mulheres simbolizando, no dia 8, toda a luta histórica feminina em busca de igualdade e respeito por parte dos homens, que inclui, além da histórica luta contra o machismo e a violência, a equiparação em diversas frentes, como a de oportunidades de emprego e de salário.

A história da mulher é composta por muitos desafios, preconceitos e lutas. Se há alguns anos não era comum ter mulheres ocupando espaços majoritariamente masculinos, hoje elas vêm se destacando cada vez mais no meio profissional.

Segundo o Índice de Diversidade de Gênero (IDG), elaborado pela empresa líder global em pesquisa de mercado Kantar, a quantidade de mulheres que ocupam cargos de liderança no mundo dobrou entre 2012 e 2020, passando de 10% para 20%. Com as pautas das lutas femininas ganhando mais visibilidade, as mulheres começaram a ter mais reconhecimento profissional.

Algumas empresas já possuem como parte da sua cultura organizacional oferecer oportunidades iguais para homens e mulheres. A Andrade Silva Advogados, especialista em Direito de Negócios, sempre esteve atenta à diversidade de gênero. “Olhando para a história do nosso escritório, nós nos orgulhamos de ser um lugar onde as mulheres ocupam posições de liderança. Isso sempre foi um caminho natural para elas. Todas assumiram esse papel por se destacarem por suas competências e são valorizadas e incentivadas por isso. Atualmente, das 14 lideranças do escritório, oito são mulheres”, afirma a diretora de gestão na Andrade Silva Advogados, Letícia Caram André e Rocha Miranda.

A organização que investe na diversidade dos seus funcionários só tem a ganhar, pois consegue ter um ambiente de trabalho com pessoas que possuem diferentes experiências e que podem contribuir para o sucesso empresarial de várias formas. Além disso, no caso das mulheres, conquistar cargos de liderança é uma forma de concretizar anos de luta por melhores oportunidades. “Assumir um papel de liderança foi desafiador, mas fez parte também da realização de uma vontade e de uma perspectiva que eu já tinha há bastante tempo. Desde sempre eu sabia que gostaria de estar em posição de liderança, pois me via no lugar de ajudar as pessoas a crescerem e fazerem a diferença na vida de outras. Eu consegui estar em um espaço que apoia essa diversidade e que dá um suporte para que as mulheres tenham ascensão em suas carreiras”, destaca a coordenadora da área Contencioso Tributário na Andrade Silva Advogados, Isadora Miranda.

Desafios 

O cenário atual é mais promissor para as mulheres no mercado de trabalho, mas ainda são muitos os desafios que a classe feminina enfrenta no meio corporativo. “Como mulher, vejo que o nosso desafio é muito maior já que temos que nos provar o tempo todo. Temos que fazer três vezes mais para conseguir nos sobressairmos em um ambiente majoritariamente ocupado por homens, como é o caso da advocacia”, acrescenta Isadora.

No entanto, é justamente em meio às dificuldades que surgem novos líderes e oportunidades. “Enfrentei desafios no início da minha carreira, ainda era jovem e com pouca experiência, mas o escritório viu potencial em mim e isso fez com que eu crescesse profissionalmente. Essa é a principal dica que dou para outras mulheres: agarrem as oportunidades e acreditem no seu potencial”, pontua a coordenadora da área Relações de Trabalho e Consumo no escritório, Bianca Dias de Andrade.

Enfrentando os problemas é que as mulheres conseguem mostrar suas competências, como a valorização do trabalho em equipe, a sensibilidade em relação aos outros, a capacidade do pensamento múltiplo e a realização de multitarefas. “A dica que dou para as mulheres que estão começando é que busquem contribuir para os espaços onde transitarem com o seu jeito de ser e de pensar genuínos, evitando ‘copiar’ os homens apenas por medo da rejeição. Penso que o que temos de genuíno é o que temos de mais rico para oferecer ao mundo, por mais diferente e incômodo que possa ser”, acrescenta Ana Flávia Patrus a especialista da área Infraestrutura e Contratos Públicos na Andrade Silva Advogados.

 

 

Foto de Capa: Reprodução Canal Ciências Criminais

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,