Associação alerta para o crescimento do chamado “Golpe do Cupim”

Por Clarimundo Flôres/ Dona Comunicação

 

Um golpe cada vez mais comum, que se intensificou com a pandemia. A Associação dos Controladores de Vetores e Pragas Urbanas (Aprag) alerta para o chamado “Golpe do Cupim”. Segundo a entidade, pessoas sem o menor conhecimento técnico espalham propaganda de combate a pragas, principalmente em condomínios. Quando acionadas por moradores, vão em grupos e acabam “criando” focos de cupins, mesmo que o imóvel não tenha esse tipo de problema.

Eles distraem o morador e colocam os cupins, que levam em frascos, para forçar a contratação do serviço de combate à praga. Depois, passam a cobrar preços absurdos pela aplicação dos produtos químicos. “Já vimos casos de consumidores lesados em até R$ 45 mil”, revela o vice-presidente da Aprag, Sérgio Bocalini.

A Aprag não tem um levantamento do número de casos como este, mas vem observando um aumento de denúncias de pessoas enganadas por estes grupos. Segundo Bocalini, o consumidor deve, antes de contactar qualquer empresa, verificar se ela conta com autorização para atuar no mercado e se é afiliada da Aprag.

Os riscos, além do prejuízo financeiro, incluem a própria saúde do contratante. Um produto químico mal administrado ou utilizado de forma equivocada pode gerar problemas graves. “Como estamos num momento onde pessoas ficam mais em casa, temos esse agravante”, explica Bocalini.

O consumidor pode consultar o site da Aprag (http://www.aprag.org.br), onde pode verificar a lista de empresas associadas e também ter acesso a informações que podem auxiliar na contratação de empresas capacitadas a atuar no combate a pragas urbanas.

Dessa forma, a Aprag pode ser acionada em caso de atendimento inadequado e exigir que a empresa venha a ressarcir o consumidor em caso de prejuízo ou serviço mal realizado. “Temos como punir a empresa e proteger os direitos do consumidor”, salienta Bocalini.
Foto de Capa: Divulgação.

Jornal do Sudoeste

Categorias ,