Bahia: Estado registra 67 mil casos prováveis de dengue, em 2019

Em 2019, as doenças transmitidas pelo mosquito provocaram 1,8 mil casos casos de dengue

 

Por Agência do Rádio Mais

 

O Aedes aegypti tem deixado a Secretaria de Saúde da Bahia em alerta máximo. Em 2019, as autoridades de saúde notificaram 67.341 casos prováveis de dengue, 10.170 prováveis de chikungunya e 1.994 suspeitos de zika. São números altos para o período perigoso que antecede as chuvas de verão que, ao serem intercaladas pelo calor da estação, tornam-se favoráveis à proliferação dos focos.

Coordenador de Doenças de Transmissão Vetorial da Secretaria de Saúde da Bahia, Gabriel Muricy Cunha, pede à população para ficar atenta e redobrar os cuidados a fim de eliminar possíveis criadouros do mosquito.

“Como a única forma de prevenir essas doenças é por meio do controle desse mosquito e medidas simples são de fundamental importância para que a população afaste esses criadouros de perto da residência, o convite é para que todo mundo possa intensificar na sua rotina ações básicas, como cuidado com a água parada, com os reservatórios de água ou qualquer outro ambiente no entorno da casa que seja propício a formação desses criadouros”.

A funcionária pública Adriele Matos de Azevedo, de 29 anos, moradora de Candeias, teve chikungunya e sofreu bastante com a doença.

“Sentia febre intensa, dor de cabeça, fadiga, manchas avermelhadas pelo corpo e uma persistente dor nas articulações. Fiquei afastada das minhas atividades durante 2 semanas, sem trabalhar, fiquei sem praticar musculação, não ia para a academia. A princípio tinha bastante dificuldade em me levantar. Doía muito as articulações: joelho, punho, dor muscular também. Senti dores intensas”.

Para prevenir essas doenças, tire 10 minutos do dia para verificar se existe algum tipo de depósito de água no quintal ou dentro de casa. Uma vez por semana, lave com água, sabão e esfregue com escova os pequenos depósitos móveis, como vasilha de água do animal de estimação e vasos de plantas.

Além disso, é preciso descartar o lixo em local adequado, não acumular no quintal ou jogar em praças e terrenos baldios. Outra dica é limpar as calhas, retirando as folhas que se acumularam no inverno, para evitar pequenas poças de água.

E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes.

 

Foto de Capa: Reprodução.

Jornal do Sudoeste

Categorias