Brasil terá primeira unidade da Universidade de Oxford nas Américas

Ministério da Saúde fechou o acordo com a instituição responsável pelo desenvolvimento da vacina Astrazeneca, a mais utilizada no Brasil contra a Covid-19

Por: Flávio Macedo/ Brasil61

O Brasil será o primeiro país das Américas a ter uma unidade da Universidade Oxford, segundo informações do Ministério da Saúde. O acordo para trazer a instituição para o país foi firmado entre a  universidade e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nesta quinta-feira (27), em Londres, na Inglaterra.

Com a parceria, Queiroga espera promover a formação de novos pesquisadores e também trabalhar na produção de vacinas e medicamentos. “Vamos formar pesquisadores ainda mais qualificados para atuarem não só na assistência, mas também no fortalecimento do nosso complexo econômico e industrial da saúde.”

Não é de agora que Oxford está em colaboração com o Brasil. A universidade é responsável pelo desenvolvimento e estudos clínicos da vacina Astrazeneca, a mais usada na imunização dos brasileiros, com mais de 113 milhões de doses distribuídas no país, segundo o ministério.

Queiroga também ressalta outro ponto do acordo com a universidade. “Esse compromisso que a instituição tem compartilhado com o Brasil, por meio da pesquisa que culminou com a produção da vacina de Oxford, já fabricada na Fiocruz, é muito importante para o Programa Nacional de Imunização (PNI) do país, que vai se multiplicar com essa unidade no Brasil”, disse.

Ainda segundo informações da pasta, a previsão é de que a unidade seja instalada até o ano que vem. O Instituto Nacional de Cardiologia (INC), localizado no Rio de Janeiro, é um potencial candidato para sediar as atividades de pesquisa no Brasil.

Conexão Brasil-Oxford

A parceria internacional para o desenvolvimento de vacinas foi essencial para o enfrentamento da pandemia no Brasil. A transferência de tecnologia entre a Astrazeneca e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) é um passo importante para garantir a autossuficiência do país na produção de imunizantes contra a Covid-19.

Os primeiros lotes do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), matéria-prima para a produção dos imunizantes, produzidos no Brasil foram enviados para testes nos Estados Unidos. As remessas já foram aprovadas nas primeiras análises feitas em Bio-Manguinhos.

Universidade de Oxford

Como a universidade mais antiga do mundo de língua inglesa, Oxford é considerada uma instituição com mais de 900 anos de história. Em seu site oficial, não há uma data clara de fundação, mas o ensino existia em Oxford em meados de 1096 e se desenvolveu rapidamente a partir de 1167, quando Henrique II proibiu os estudantes ingleses de frequentarem a Universidade de Paris.

Dados da Covid-19

O Brasil registrou mais 15.268 casos e 389  óbitos por Covid-19, quinta-feira (28), de acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde. Desde o início da pandemia, mais de 21.781.436 milhões de brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus.

O Rio de Janeiro ainda é o estado com a maior taxa de letalidade entre as 27 unidades da federação: 5,18%. O índice médio de letalidade do País estava em 2,9%.

Taxa de letalidade nos estados

  • RJ    5,17%
  • SP    3,45%
  • AM    3,22%
  • PE    3,17%
  • MA    2,84%
  • PA    2,80%
  • GO    2,68%
  • AL    2,62%
  • PR    2,61%
  • CE    2,60%
  • MS    2,56%
  • MG    2,54%
  • MT    2,52%
  • RO    2,43%
  • RS    2,42%
  • PI    2,18%
  • BA    2,17%
  • SE    2,16%
  • ES    2,13%
  • PB    2,11%
  • DF    2,11%
  • AC    2,10%
  • RN    1,98%
  • TO    1,70%
  • SC    1,62%
  • AP    1,61%
  • RR    1,59%

Os números têm como base o repasse de dados das Secretarias Estaduais de Saúde ao órgão. Acesse as informações sobre a Covid-19 no seu estado e município no portal brasil61.com/painelcovid.

 

 

 

Foto de Capa: Breno Esaki/Agência Saúde DF

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,