77 3441-7081 — [email protected]

Brumadense é uma das caras novas que podem ser eleitas para Câmara Federal

Por Redação

Um dos conceitos mais controversos, principalmente quando o debate vai para a seara política, é o da juventude. Juventude, de uma maneira geral, compreende não apenas a fase posterior à adolescência, e pode chegar até os trinta anos. Oficialmente, com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Ibge), considera-se jovem a parcela de brasileiros com idade entre 15 e 24 anos de idade. Diferentemente, o Estatuto da Juventude da Organização das Nações Unidas (ONU), define como jovem os cidadãos na faixa etária entre 15 e 29 anos.

Na política, entretanto, o conceito de jovem tem um parâmetro mais extenso e, geralmente, não tem limite de idade, refere-se, conceitualmente, às pessoas que se posicionam contra o modelo e se apresentam como alternativa de mudanças estruturais.

É o caso do Administrador de Empresas e Auditor Fiscal da Secretaria de Estado da Fazenda da Bahia, brumadense Luís Carlos (Carlinhos) Moura Matos, filiado ao Partido Trabalhista Cristão (PTC), que embora já tenha ocupado importantes cargos na estrutura das prefeituras Municipais de Brumado (foi secretário municipal de Administração e Finanças) e de Jequié (ocupou a titularidade da Secretaria Municipal de Administração), que disputa uma cadeira na Câmara Federal.

Luís Carlos – Carlinhos – Moura (PTC) tem repetido que sua candidatura à Câmara Federal representa uma renovação, não tanto pela idade, mas por suas ideias. “Minha principal bandeira é lutar para que haja uma profunda mudança no cenário político que está na contramão dos interesses da população e tem servido apenas para garantir privilégios de todas as ordens para uma casta”, evidencia. O trabalhista cristão tem sido incisivo em sua campanha ao afirmar que, eleito deputado federal, vai trabalhar intransigentemente na defesa dos valores da família, na valorização dos serviços públicos que considera essenciais e para que haja mais autonomia para as pessoas. “É preciso restituir o poder à sociedade e fazer com que sejam valorizados aqueles que desenvolvem funções que geram benefícios para coletividade. É preciso que o Parlamento volte a legislar e fiscalizar, que o Executivo execute as ações que são de interesse da coletividade e que a sociedade seja ouvida sempre. Precisamos tirar o poder das mãos dos políticos e devolvê-lo para os cidadãos”, apontou.

O candidato do PTC, que deverá ser uma das surpresas na lista dos 39 baianos que vão compor a Câmara Federal a partir do próximo ano, considerados dados de pesquisas informais que o JS teve acesso, diz que tem sentido em sua caminhada pelo Estado o crescente espírito de mudança na sociedade. “Tenho notado que há por parte das pessoas uma vontade muito grande de mudança e que a cultura do toma-lá-dá-cá está em extinção. Ainda há muitos eleitores que nos procuram para pedir exames médicos, para pagar contas e trocar um adesivo no carro por dinheiro e que, como não apoio a prática e não tenho essa possibilidade, lamentam não me apoiar, mas são muito mais os que nos procuram para discutir ideias, refletir sobre as propostas que apresentamos e abraçam nossa campanha voluntariamente”, observou Luís Carlos – Carlinhos – Moura (PTC) ao JS, ressaltando estar consciente das dificuldades, embora esteja bastante otimista.

‘Nessa reta final da campanha estamos, mesmo conscientes da dificuldade de enfrentar o poder econômico de políticos tradicionais, confiantes no sucesso da nossa proposta. O que temos observado é que as pessoas estão prestando atenção e enxergando bem quem são e o que estão propondo os candidatos”, concluiu.

Antônio Luiz da Silva

Categorias