Com quase sete mil novas vagas, Bahia é o segundo estado do Nordeste que mais gerou empregos formais em outubro

Foram criados mais de 6,7 mil novos empregos. No total, a Região Nordeste abriu mais de
32,2 mil novos postos formais no décimo mês do ano

 

Por: SECOM/Presidência de República 

 

A Bahia é o segundo representante da Região Nordeste que mais gerou empregos formais em outubro. Ao todo, 6.702 novos postos foram gerados no estado, o que deixa a Bahia atrás apenas de Pernambuco, que criou 8.113 empregos no mês.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (29) pelo Novo Caged, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, criado como registro permanente de admissões e dispensa de empregados sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Todos os nove estados do Nordeste fecharam o mês de outubro com um saldo positivo na geração de empregos. No total, 32.223 novos postos foram criados no Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Maranhão.

O setor de serviços foi o responsável pelo maior número de novas vagas criadas na Bahia: 4.759. De acordo com o Novo Caged, o estoque de empregos formais no estado se aproxima de dois milhões de postos (1.929.283).

O Brasil manteve, segundo o cadastro geral, em outubro, a tendência positiva na geração de empregos e fechou o mês com um saldo de 159.454 novos postos formais de trabalho em todo o país.

Os dados do Ministério do Trabalho e Previdência mostram ainda que o país acumula, entre janeiro e outubro de 2022, um saldo de mais 2,32 milhões (2.320.252) de novos empregos e se aproxima da marca de 43 milhões de postos formais registrados no Caged (42.998.607), quebrando, assim, mais um recorde histórico.

Entre janeiro de 2019 e outubro de 2022, foi registrado saldo de mais de 5,54 milhões de novos postos de trabalho (5.548.395). Mesmo com as demissões ocorridas no período mais crítico da pandemia da Covid 19, o número de empregos gerados entre julho de 2020 e outubro de 2022 – período de retomada do emprego formal – é maior do que o período entre 2019 e 2022 e supera 6,3 milhões de novas vagas (6.303.762).

Outros estados

O Caged serve como base para a elaboração de estudos, pesquisas, projetos e programas ligados ao mercado de trabalho e, desta forma, subsidia a tomada de decisões para ações governamentais. Segundo o cadastro, das 27 Unidades da Federação, 26 registraram saldo positivo na geração de empregos em outubro.

São Paulo liderou a lista dos estados que mais geraram empregos, com a criação de 60.404 novos postos de trabalho. Com isso, a Região Sudeste foi o grande destaque nacional, ao registrar um crescimento de 80.740 novos empregos.

Na sequência, o Rio Grande do Sul, com 13.853 novos postos e o Paraná, com 10.525, completam a lista dos três estados que mais geraram empregos. Na outra ponta, as Unidades Federativas com menor saldo foram Rondônia (617) e Roraima (525). O Amapá, com -499 postos, foi o único estado a fechar o mês com saldo negativo.

Setores

Em outubro, quatro dos cinco grandes grupamentos de atividades econômicas apresentaram saldo positivo. O maior crescimento do emprego formal foi registrado no setor de serviços, com saldo de 91.294 novos postos de trabalho formais.

Nesta área, o segmento de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas foi o que apresentou maior saldo, com 49.260 novos postos. O destaque ficou a locação de mão-de-obra temporária (11.063); serviços combinados de escritório e apoio administrativo (3.654); limpeza em prédios e em domicílios (3.245) e serviços de engenharia (3.022).

O segundo maior crescimento do emprego formal ocorreu no setor do comércio, com saldo positivo de 49.356 postos. Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios – supermercados, com 6 mil vagas, foi o grande destaque, seguido do comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios, com 5.781 novos postos.

A indústria apresentou o terceiro maior saldo positivo, com 14.891 empregos, com destaque para o abate de aves (1.454), a coleta de resíduos não-perigosos (1.219) e a fabricação de produtos derivados do cacau e de chocolates (1.041).

Responsável pelo quarto maior saldo positivo, o setor da construção ofertou 5.348 novos postos, puxado pela demanda de serviços para instalação e manutenção elétrica (1.690).

 

Fonte: Ministério do Trabalho e Previdência

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,