77 3441-7081 — [email protected]

Com retomada de vagas em 2017, otimismo aumenta entre os candidatos a estágio.

Se nos dois últimos anos os jovens foram os mais afetados pela crise do emprego, a virada no calendário pode significar, ainda que discretamente, um novo estímulo para aqueles que buscam uma oportunidade de aprendizado. Isso porque, de acordo com a Companhia de Estágios – assessoria e consultoria especializada em vagas de estágio e trainee – os índices de 2017 apresentaram um crescimento animador no número de postos abertos em comparação a 2016. E tais números já refletem na percepção do público alvo dessas vagas: curiosamente o levantamento anual feito pela empresa identificou um otimismo maior em relação ao mercado de trabalho entre esses candidatos. De acordo com a pesquisa “O Perfil do candidato a vagas de estágio em 2018” o número de jovens encarando o mercado de forma positiva cresceu 2%, ao mesmo passo que houve uma diminuição de 3% no pessimismo desses estudantes.

Pesquisa especializada aponta maior otimismo

Embora o país atravesse um período árduo para os trabalhadores menos experientes, uma pesquisa realizada pela Companhia de Estágios apontou, pelo segundo ano consecutivo, que a maioria dos candidatos segue otimista em relação ao mercado de trabalho. Contudo, em 2018, o número de jovens confiantes na melhora do cenário aumentou 2% em comparação com o último levantamento. Atualmente, 78% dos 5410 candidatos a estágios ouvidos pela recrutadora se declaram esperançosos em relação às oportunidades futuras, 12% se sentem indiferentes e apenas 10% estão pessimistas – um número 3% menor em comparação com o levantamento de 2017.

Entusiasmo de ano novo?

Contudo, esse pensamento não estaria ligado apenas ao típico entusiasmo provocado pela virada do calendário, quando a busca pelo emprego costuma entrar no rol de “resoluções de ano novo”. Segundo Tiago Mavichian, diretor da Companhia de Estágios, o mercado de estágios está reagindo num passo mais animador do que as vagas formais “O número de vagas de estágios anunciadas em 2017 foi 19% maior em comparação com o último ano. Esse número supera os postos perdidos em 2016 – o ano mais difícil para o mercado de estágios, desde o começo da crise. Se considerarmos que o mercado celetista demonstrou, nesse mesmo período, um saldo negativo entre as admissões e contratações, (segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o último ano fechou com um saldo negativo de 20.832 vagas) fica evidente que o estágio é, no momento, a melhor alternativa para o jovem, sobretudo pelo fato dele não ter que concorrer com profissionais muito mais experientes”.

Outro ponto destacado por Mavichian é que os jovens estão, naturalmente, migrando para o estágio em virtude do encolhimento dos postos formais “Nossa pesquisa identificou que, nos dois últimos anos, esses jovens priorizaram a busca pelo estágio. Mais de 55% afirmou ter participado de pelo uma entrevista de estágio nesse período, enquanto para postos celetistas, a participação foi apenas 39%”.

Embora tendência, concorrência é alta.

Números da recrutadora também demonstram que a procura pelo estágio tem crescido progressivamente desde 2014 – ano no qual o país entrou na crise econômica e, por consequência, na derrocada do emprego formal. Dados indicam que no último triênio, o crescimento no número de candidatos ultrapassou os 20%, e que, somente em 2017, foram mais de 200 mil inscritos para os processos seletivos realizados pela recrutadora em todo o Brasil.

Contudo, engana-se quem pensa que essa “migração” é fruto de uma maior “facilidade” dos processos seletivos para esses postos. Embora as vagas sejam, de fato, voltadas exclusivamente para estudantes, a Companhia de Estágios identificou que a maioria dos candidatos ouvidos em seu levantamento não vê diferença no nível de competitividade/dificuldade dos processos para vagas de estágio ou celetistas. Segundo Rafael Pinheiro, gerente de recursos humanos da empresa, “Nesse momento, o que mais atrai o jovem para as vagas de estágio é a chance de aprendizado. Com o encolhimento do mercado celetista, os empregadores priorizam trabalhadores experientes e o jovem se sente cada vez mais pressionado a adquirir bagagem profissional. Inclusive, de acordo com a pesquisa, boa parte deles não se sente preparado para o mercado formal e deseja estagiar antes de enfrentar essa modalidade”.

Expectativa de crescimento

Segundo Mavichian, o mercado de estágio não só atravessa uma recuperação, como deve crescer ao longo do ano “Na nossa última projeção, esperávamos um aumento em torno de 17%, que foi ultrapassado ao longo de 2017. Para esse ano, estamos com a mesma expectativa, que as empresas retomem a confiança e abram mais vagas de estágio. Contudo, fica o recado para o jovem: com o crescimento da concorrência, é preciso investir na qualificação, pois, da mesma forma, a tendência é de aumento da procura por esse tipo de vaga”. – conclui.

Fonte: Companhia de Estágios | PPM Human Resources

Redacão Jornal do Sudoeste

Redacão Jornal do Sudoeste

Desde seu lançamento, o JS vem revolucionando a imprensa regional. Foi e continua sendo pioneiro na adoção de cores em todas as suas páginas e no lançamento de suplementos especiais que extrapolam o simples apelo comercial, envolvendo a comunidade em reflexões sobre temas de interesse geral por ocasião do Natal e dos aniversários de emancipação de municípios da sua área de abrangência de circulação.
Categorias