77 3441-7081 — [email protected]

Conab mostra que cebola segue com preços baixos enquanto exportação cresce mais de 300%

Por Assessoria de Imprensa Conab

 

O produto que vem ajudando a economia na cozinha também está com bons números de comercialização. A cebola, que vem apresentando baixos preços nos mercados atacadistas, também alcançou um patamar de exportações de 12,8 mil toneladas, a maior quantidade já registrada nos últimos 3 anos. O volume é 383% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, e tem como principal destino Paraguai e Argentina. Os dados estão no 9º Boletim Prohort, divulgado nesta quinta-feira (20), pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e que traz os preços de frutas e hortaliças comercializadas nas principais Centrais de Abastecimento (Ceasas) do país.

A demanda internacional aquecida não afetou a comercializado interna do produto, que segue com preços baixos. O valor da cebola comercializada no atacado da Ceasa de Goiânia, por exemplo, caiu 29%, já em São Paulo a queda foi de 21%. Entre os motivos, o estudo aponta a boa oferta do produto, com o fornecimento a partir da colheita em Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e no próprio estado goiano e paulista, o que reduziu a cotação no mercado e segue mantendo o cenário de preços baixos para os próximos meses.

O Boletim mostra que essa situação também ocorre com a batata, que tem o pico de colheita nos meses de agosto, setembro e outubro, fazendo com que o valor esteja favorável ao consumidor. No entanto, o produtor deve começar a analisar as condições de mercado para a tomada de decisão da próxima safra, o que pode refletir em um menor plantio.

Já a cenoura apresentou um aumento significativo de preços nas Ceasas brasileiras, de acordo com o Boletim Prohort. Esse crescimento, na verdade, reflete a recuperação dos valores, uma vez que a cotação do produto havia chegado próxima aos menores níveis já registrados nos últimos dois anos. Os índices verificados no atacado vão de 11% a 47%, motivado principalmente pela melhor qualidade da cenoura ofertada, e o cenário indica que não haverá queda de preço nos próximos meses.

Frutas – As frutas também apresentaram aumento de cerca de 6% nas exportações acumuladas até agosto, se comparada com 2017, mas no mercado interno não apresentaram movimento uniforme de preço. O único que fugiu um pouco desse cenário foi o mamão, que até ficou 12% mais barato em Fortaleza (CE). Em contrapartida, essa mesma fruta ficou 28% mais cara em Vitória (ES).

As demais análises de comercialização das principais frutas e hortaliças podem ser encontradas no Boletim divulgado na página da Conab. O levantamento é feito mensalmente pelo Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) da Companhia, a partir de informações fornecidas espontaneamente pelos grandes mercados atacadistas do país. Para a análise do comportamento dos preços de agosto, foram considerados os entrepostos dos estados de SP, MG, RJ, ES, CE, PE e GO.

Clique aqui para acessar o estudo.

Jornal do Sudoeste

Categorias