Demência: Proteína está relacionada à incidência da patologia

Presença da proteína TDP-43 contribui para uma maior chance de desenvolver doenças neurodegenerativas

Por: MF Press Global Gestão geral

A demência, também conhecida como transtorno neurocognitivo maior, é caracterizada pelo declínio progressivo de funções cognitivas, afetando a memória, linguagem, raciocínio e capacidade de aprendizado.

O termo demência, entretanto, não define apenas uma doença, ele é utilizado para descrever uma série de sintomas e sinais neurológicos que podem ser resultado de diversas doenças neurodegenerativas, como Alzheimer, por exemplo.

De acordo com um novo estudo chamado “Associação de cognição e demência com alterações neuropatológicas da doença de Alzheimer e outras condições em idosos” em português, a presença da proteína TDP-43 está relacionada com uma maior chance de desenvolver a patologia.

Essa visão também é reforçada pelo PhD neurocientista e biólogo Dr. Fabiano de Abreu Agrela, que explica um pouco mais da relação entre a proteína e o desenvolvimento de quadros de demência.

“A presença de encefalopatia da proteína TDP-43 (codificada pelo gene TARDBP) relacionada à idade predominante no sistema límbico está associada a uma maior probabilidade de diagnóstico de demência.”

“A proteína TDP-43 está envolvida no processamento de moléculas chamadas RNA mensageiro (mRNA), que servem como modelos genéticos para a produção de proteínas. Ao cortar e reorganizar as moléculas de mRNA de diferentes maneiras, a proteína TDP-43 controla a produção de diferentes versões de certas proteínas.” Afirma.

O Dr. Fabiano de Abreu ressalta, ainda, a importância de cuidados preventivos para doenças neurodegenerativas, atualmente, não existem tratamentos efetivos para retardar o aparecimento de quadros de demência, sua prevenção consiste basicamente em exercícios cognitivos e mudanças de hábitos.

“Apesar da idade ser o maior fator de risco para demência, nem todas as pessoas desenvolvem demência, mesmo com idade muito avançada. O papel em minhas pesquisas é contribuir para práticas de prevenção para doenças neurodegenerativas pela idade.”

“Venho praticando métodos com o meu pai de 81 anos que sofre de depressão e diabetes e ele vêm se saindo muito bem. Os mesmos pratico a minha mãe de 75 anos, temos que levar em consideração que mulheres têm mais chances de neurodegeneração devido aos hormônios.” Pontua.

Sobre Dr. Fabiano de Abreu

Dr. Fabiano de Abreu Agrela, é um PhD em neurociências, mestre em psicologia, licenciado em biologia e história; também tecnólogo em antropologia com várias formações nacionais e internacionais em neurociências. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), Cientista no Hospital Universitário Martin Dockweiler, Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, Membro ativo da Redilat – La Red de Investigadores Latino-americanos, do comitê científico da Ciência Latina, da Society for Neuroscience, maior sociedade de neurociências do mundo nos Estados Unidos e professor nas universidades; de medicina da UDABOL na Bolívia, Escuela Europea de Negócios na Espanha, FABIC do Brasil, investigador cientista na Universidad Santander de México e membro-sócio da APBE – Associação Portuguesa de Biologia Evolutiva.

Foto de Capa: Divulgação

Jornal do Sudoeste

Materias Recentes

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,