E o Resgate da Educação ?

Para um país que vem sucateando a educação de seus cidadãos há décadas, soa por demais irônico, ofensivo, até, o lema de alguns governos que já tivemos: Brasil – Pátria Educadora se faz com educação de qualidade. E o desgoverno atual consegue piorar o que já estava ruim, diminuindo drasticamente  o orçamento para a educação, num clima de pandemia que vivemos há quase dois anos, quando as escolas estiveram fechadas, para evitar um contágio maior da doença. Até tentaram o ensino à distância, mas só os alunos mais bem situados conseguiram estudar, pois os mais pobres, aqueles que mais precisavam, não tinham internet nem aparelhamento para estudar os conteúdos que os professores se esforçaram em disponibilizar, trabalhando muito mais que o normal. Saúde, educação, meio ambiente, são coisas que não interessam minimamente ao desgoverno que aí está. O que interessa para ele é reeleição, armas, mentiras, radicalismos, preconceitos e violência.

O ensino – que faz parte da educação, conforme o dicionário – foi perdendo qualidade num crescendo assustador e está aí o resultado: crianças no terceiro e até quarto ano, que não sabem ler e escrever, jovens que não sabem se comunicar – não conseguem escrever ou ler um bilhete, não conseguem interpretar um texto; escrever uma redação, então nem pensar. Isso sem contar as escolas sem manutenção, sem equipamento, professores mal pagos, etc., etc. O que será de nossos estudantes, com quase dois anos letivos perdidos? Como estará a volta às aulas que está acontecendo agora?

A prioridade dos governos tem que ser o resgate da educação, a melhoria do ensino no Brasil. E o que tem acontecido?  O principal alvo do corte de “despesas” do governo foi a educação: teve o maior corte de todos os ministérios, programas como Pronatec e Ciências Sem Fronteiras também sofreram cortes neste desgoverno. Aliás a ciência é outro setor que foi praticamente esvaziado, sem recursos para trabalhar, justamente quando mais estamos precisando de pesquisas.

Então essa é a Pátria Educadora que temos: corte de verbas para a educação, esvaziamento do conteúdo programático do ensino em todos os níveis, abandono da escolas, pagamento bem aquém do devido a professores, profissionais tão importantes na vida de todos os brasileiros, que deveriam ser melhor qualificados, também.

As universidades federais são obrigadas a suspender investimentos em projetos e pesquisas, para conter despesas. Há que se conter despesas de qualquer jeito. Mas dinheiro para partidos, para eleição, para políticos, isto tem de sobra.

Então não parece deboche, escolher tirar a maior quantidade de recursos justamente da pasta da educação? Onde está o ensino de qualidade? Que país é esse, que prefere que seu povo tenha cada vez menos educação? Interesse dos políticos, dos desgovernos de plantão, claro, que preferem pessoas com menos instrução, para poder controla-las, não é?

Luiz Carlos Amorim

Coordenador do Grupo Literário A Ilha em SC, com 31 anos de atividades e editor das Edições A Ilha, que publicam a revista Suplemento Literário A Ilha e mais de 50 livros editados. Eleito Personalidade Literária de 2011 pela Academia Catarinense de Letras e Artes. Ocupante da cadeira 19 da Academia Sul Brasileira de Letras. Editor do portal ProsaA, Poesia & Cia. (Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br ) e autor de 27 livros de crônicas, contos e poemas, três deles publicados no exterior.  Blog:  http://lcamorim.blogspot.com
Categorias

Deixe seu comentário