É preciso se preocupar com o abastecimento dos supermercados durante o Coronavírus?

Por Red Ventures

 

Uma das maiores preocupações dos brasileiros é com o desabastecimento dos supermercados. Será que é preciso se preocupar? As principais associações de supermercados do país afirmam que não há necessidade de uma corrida aos supermercados para estocar produtos.

A recomendação das associações para os consumidores é que eles não precisam encher os carrinhos de compras para estocar produtos em casa. Também há indicação de pagamento no cartão de supermercado ou de crédito, evitando contato com dinheiro em espécie com o caixa para diminuir as possibilidades de contaminação pelo novo coronavírus.

Abaixo, vamos responder algumas das principais dúvidas dos brasileiros em relação ao desabastecimento, confira:

Por que alguns produtos estão faltando nos supermercados?

Nos últimos dias, consumidores têm compartilhado imagens e fotos de prateleiras vazias em supermercados. Isso acaba criando um certo pânico nas pessoas em relação ao desabastecimento dos produtos.

De acordo com as associações do setor e com o Ministério da Agricultura, ainda não há um problema de desabastecimento de produtos nos supermercados. O que está acontecendo são situações pontuais de dificuldades para a reposição de algumas mercadorias.

Segundo os especialistas, isso acontece porque a reposição de estoque não estava preparada para o aumento da compra de certos produtos como álcool gel e papel higiênico, isso acaba atrasando a reposição veloz.

Para as associações, as prateleiras vazias se devem exclusivamente a correria de consumidores para estocar produtos em meio às medidas de quarentena. Em comunicado oficial, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) afirmou que está monitorando os supermercados de todo o país e até o momento não há nenhum caso de desabastecimento.

Pode faltar comida caso o surto de coronavírus demore a passar no Brasil?

A principal preocupação dos consumidores é que com uma possível falta de alimentos por conta da pandemia de coronavírus. Segundo entidades ligadas às indústrias, a situação brasileira em relação ao abastecimento de alimentos é bastante confortável, se comparada a outros países.

As entidades endossam os comunicados das associações de supermercados, afirmando que a falta de alimentos em supermercados se deve a uma reposição lenta por conta do comportamento dos consumidores em meio à pandemia. É preciso ressaltar que não há nenhum indício que indique a necessidade de estocar alimentos em casa até o momento.

Segundo João Dornellas, presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), não há motivo para a preocupação dos consumidores, mesmo com o aumento da demanda por alguns alimentos. Dornellas ressaltou que o país é um dos maiores produtores de alimentos do mundo e que a situação do Brasil é bastante confortável.

O executivo também ressaltou que a produção a logística das indústrias de alimentos no país estão funcionando normalmente e que comitês foram criados para um monitoramento em tempo real da situação. Para Dornellas, o que pode acontecer é o que já está sendo visto, alimentos acabando porque os consumidores estão comprando em demasia para estocar.

Há o desabastecimento de álcool gel no Brasil?

Segundo empresas do setor, não há um desabastecimento de álcool gel no Brasil. O problema é que este produto teve o fornecimento bastante afetado neste ano por conta da pandemia de coronavírus.

O álcool gel é um dos produtos que sumiu das prateleiras por que os consumidores começaram a fazer estoque, sem a real necessidade. Apontado como uma substância capaz de diminuir a contaminação do coronavírus, o álcool gel virou um dos produtos mais populares em todo o mundo.

Segundo a ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), a alta estrondosa pela substância que deixa o álcool com a consistência de gel, o carbopol, aumentou em todo o mundo e isso acaba gerando problemas no fornecimento do produto, o que acaba levando a uma demora maior pela reposição do produto.

O presidente da ABIHPEC, João Carlos Basílio, afirmou que as principais responsáveis pelo fornecimento do produto no país são empresas de pequeno e médio porte que ainda estão se adequando a situação de crise para normalizar o fornecimento. Estas empresas também buscas novas substâncias para transformar o álcool em gel.

Existe algum risco de desabastecimento de produtos no Brasil nos próximos meses?

Os executivos das principais associações dos setores de supermercados e da indústria afirmam que o abastecimento deve seguir normalmente. Dornellas ressalta que para que não haja nenhum risco de desabastecimento é preciso manter a livre circulação de matéria-prima e produtos no país.

O presidente do IBEVAR (Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo), Claudio Felisoni, tem uma opinião mais conservadora e afirma que existe sim o risco de desabastecimento. Segundo ele, os trabalhadores da indústria não podem trabalhar em home office e uma disparada na contaminação do coronavírus no país pode inviabilizar a produção.

O ideal para todos os brasileiros é que as medidas de isolamento social sejam cumpridas pela maioria da população, que não trabalha em atividades essenciais, para que a curva de disseminação do coronavírus seja achatada e não haja a necessidade de parar a produção da indústria no país.

Fonte: Onze Investimentos

 

Foto de Capa: Shutterstock.

Jornal do Sudoeste

Categorias ,