Economistas apontam problemas caso Brasil e Argentina criem moeda única.

O objetivo é facilitar as transações comerciais e financeiras entre os dois paises.

Por: Lúcio Flávio/ Agência Brasil 61.

Os governos do Brasil e da Argentina estudam a possibilidade de criar uma moeda única para transações financeiras e comerciais na América do Sul. O tema veio à baila durante visita oficial do presidente Lula ao país no momento.

Em artigo publicado neste último domingo (22), no site argentino Perfil, assinado a quatro mãos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o chefe da nação do país vizinho, Alberto Fernández, os dois líderes falaram sobre a criação de uma moeda regional para uso comercial.

“Pretendemos superar barreiras (…) simplificar e modernizar regras e incentivar o uso de moedas locais. Também decidimos avançar nas discussões sobre uma moeda comum sul-americana que possa ser utilizada tanto para fluxos financeiros quanto comerciais, reduzindo os custos de operação e diminuindo a nossa vulnerabilidade externa”, regista o texto.

O objetivo da proposta é que as trocas bilaterais entre os dois países possam ser feitas sem a utilização do dólar, já que as reservas internacionais argentinas são de apenas US$ 7 bilhões.

Diretor da Valorum, Marcos Sarmento Melo,
especialista em finanças, avalia que essa integração econômica não pode ser saudável para o Brasil.

“O Brasil tem trocas comerciais com quantidades muito grandes de países e a maior parte dessas trocas comerciais não fazem parte desse conjunto de nações na América do Sul. A China, a União Europeia, os Estados Unidos, esses países não aceitam moedas que sejam criadas regionalmente”, observa. ‘Não creio que seja positivo para o Brasil. Talvez num futuro muito distante, com outras condições econômicas entre os países”, comenta.

Já o economista, Guidborgongne C N da Silva, atualmente aluno de mestrado na área pela Universidade Federal de Goiás, a UFG, a criação de um moeda única não só entre Brasil e Argentina, mas entre quaisquer países do mundo, levam em conta vários aspectos.

“É fundamental que os parâmetros de equilíbrio fiscal, dívida pública estejam, adequadamente, em condições para que esses países tenham uma política monetária adequada que consigam gerenciar”, comenta. “A União Europeia serve muito de referência para nós, porque as diferenças macroeconômicas entre os países dificultaram muito a consolidação do Euro, o que aconteceu após mais de 20 anos de correções aqui e ali que não fizeram no início do processo”, recorda.

Esse modelo de parceria comercial já foi utilizado pelo Brasil com países como Angola e Cuba.

Foto de Capa: Tânia Rêgo/ Agência Brasil.

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,