Especialista Ensina como Identificar Fake News na Área da Saúde

Laís Junqueira, gerente de Qualidade, Segurança do Paciente e Inovação da Elsevier explica como detectar notícias falsas e por que elas têm maior potencial de compartilhamento.

Por: Flávia Meirelles

 

A pandemia provocou o crescimento exponencial da disseminação de informações na área da saúde, principalmente nas redes sociais. O volume é tão grande que muitas pessoas não conseguem discernir quais dados são baseados em evidências científicas ou em inverdades. Para elucidar esta questão,  Laís Junqueira, gerente de Qualidade, Segurança do Paciente e Inovação da Elsevier e membro do conselho científico da Sociedade Brasileira de Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente, dá dicas aos internauta para reconhecer notícias falsas e avaliar as fontes de informação.

Um estudo realizado pelo Massachusetts Institute Of Technology (MIT) mostrou que as notícias falsas têm 70% mais probabilidade de serem compartilhadas do que as notícias verdadeiras.  A análise foi realizada com base em 126 mil histórias contadas no Twitter, entre 2006 e 2017.  De acordo com a pesquisa, essa propensão ocorre por dois fatores: a novidade e a emoção. “Os seres humanos se sentem mais compelidos a disseminar notícias novas porque têm a sensação de que se encaixam e navegam melhor pelo mundo”, afirma Laís Junqueira. Já as emoções mais frequentes em relação aos twitters falsos são de surpresa e repulsa.

 A gerente da Elsevier dá dicas de como se comportar perante uma notícia recebida pela internet. Confira:

  1. Segure o impulso de compartilhar – antes de passar a informação adiante, respire e avalie a sua veracidade.
  2. Verifique os fatos – existem vários sites de pessoas e entidades que se dedicam a levantar a veracidade de uma informação.
  3. Localize a fonte – analise a confiabilidade da fonte. Se ela a notícia provem de um blog desconhecido ou não circulou na mídia, há grande risco de não ser verdadeira.
  4. Contra ou a favor – as pessoas gostam mais de compartilhar informações que vão ao encontro de suas convicções. Mesmo que você goste daquilo que leu, confira sua veracidade antes de passar a notícia adiante.
  5. Desconfie das correlações – muitas fake news fazem correlações com fatos verídicos a fim de estabelecer um nexo, que induza o leitor a acreditar no que lê. Por isso, antes de compartilhar, confira se a correlação estabelecida é legítima ou espúria.
  6. Compartilhe notícias verdadeiras – uma forma de reduzir a circulação de fake news é disseminar notícias verdadeiras.
  7. Procure informações confiáveis – consulte os sites da Organização Mundial da Saúde e daElsevier para ler notícias de fontes fidedignas ou tirar dúvidas.

Laís Junqueira afirma que, desde o ano passado, circularam muitas fake news em relação à covid-19, com temáticas diversas, de acordo com os diferentes momentos da pandemia. “Atualmente os temas mais abordados são sobre medicamentos em comprovação científica e vacinas”, ressalta. Ela destaca que para fornecer informações confiáveis sobre a covid-19 a Elsevier disponibiliza um hub que pode possui seções tanto para profissionais de saúde como para o público leigo.

 

 

Foto de capa: Divulgação Internet

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,