redacao@jornaldosudoeste.com

Anuncie aqui - Jornal do Sudoeste

Estudantes se espantam com indiferença pelo que se passava do DOI-Codi

Publicado em

Por 13 dias, ação de pesquisadores foi acompanhada por 800 pessoas

Por Letycia Bond|Agência Brasil


“Como é que ninguém dos vizinhos ouvia os gritos ou, se alguém ouvia, não fazia nada?” Essa foi uma das perguntas de estudantes que participaram das ações educativas Memorial DOI-Codi, sobre o antigo Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), na capital paulista, tiveram coragem de fazer, falando por muitos brasileiros que até hoje se espantam com a conivência e a passividade de algumas pessoas diante dos horrores da ditadura que manchou o país.

O DOI-Codi foi uma base de torturas e execuções de pessoas que faziam oposição à ditadura instaurada com o golpe de 1964, que tirou o presidente João Goulart do poder. As atividades são promovidas pelos pesquisadores que estão à frente do projeto de arqueologia no local, no bairro de Vila Mariana, como complemento ao trabalho de campo.

A programação foi distribuída ao longo de 13 dias, e terminou nesta segunda-feira (14). Conforme reportado pela Agência Brasil, a equipe de pesquisadores encontrou, por meio de escavações, uma inscrição deixada por um preso político, da contagem de seus dias no cárcere. Também foram encontrados vestígios de uma substância que pode ser sangue e de peças indígenas pré-colombianas.

Os acadêmicos são vinculados à Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e os objetos encontrados, como frascos de vidro e um carimbo usado em fichas de presos que davam entrada no centro clandestino, ficarão sob guarda da Unicamp até que seja estruturado um memorial, que deverá ganhar uma versão online.

A coordenadora do Grupo de Trabalho Memorial DOI-Codi, Deborah Neves, disse que, para que a iniciativa se concretize, basta que o governo de São Paulo dê aval, já que a pesquisa que estão desenvolvendo dá condições e subsídio para justificar o empreendimento.

Em coletiva de imprensa, a equipe que toca o projeto comentou que uma vizinha do centro clandestino, para onde eram levadas pessoas que ousavam, mesmo correndo riscos, questionar as atrocidades cometidas pelos agentes da ditadura, procurou a equipe de pesquisadores para revelar que os gritos dos presos chegavam até ela. Com a abertura de visitas guiadas ao DOI-Codi, outros moradores dos arredores do complexo onde ficava o centro clandestino, que engloba o 36° Distrito Policial, da Polícia Civil, apareceram para contribuir com relatos e dar ainda mais sentido – ou procurar algum – a esse período de sombras da história do Brasil.

Deborah Neves disse que parte dos moradores afirma que não sabia da existência do prédio que abrigava tantas monstruosidades, incluindo o assassinato pelas mãos dos militares, como o do jornalista Vladimir Herzog, forjado e noticiado oficialmente como suicídio, caso que teve significativa repercussão. “Parte da comunidade ficou surpresa, ao saber que ficava atrás da delegacia”, revela.

“Isso estava engasgado. Muita gente procurou a equipe, e agora quer falar”, disse a coordenadora Cláudia Plens, da área de Arqueologia Forense.

Ao todo, entre visitas e oficinas, com cinco escolas de educação básica, passaram pelo local mais de 800 visitantes, do bairro Vila Mariana e outras regiões, como Angra dos Reis, Rio de Janeiro.

Para a pesquisadora da Unicamp Aline Vieira de Carvalho, também coordenadora de Arqueologia Pública no âmbito do projeto, um dos retornos que a iniciativa deu é justamente a constatação de que o tema é de interesse da sociedade como um todo, o que contrasta com a dificuldade que os pesquisadores, juntos desde 2018, tiveram ao sair em busca de financiamento.

“Nosso objetivo é abrir espaços entre trabalhos arqueológicos, entender o que a comunidade pensa sobre esse espaço”, disse, acrescentando que outro objetivo consiste em provocar interesse para essa área de conhecimento.

Vontade política

Andrés Zarankin, responsável pela área de arqueologia, ressalta que abordar questões como o aparato de repressão do Estado geralmente não contam com a aprovação de todos. Perguntado sobre por que, no Brasil, há recusa em se conversar abertamente sobre temas como violações de direitos humanos, ele responde que, na sua visão, tem a ver com a permanência do gosto pelo autoritarismo e da sede pelo poder. No caso brasileiro, lembra, torturadores são reverenciados, como aconteceu com coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, do Exército.

“Esse tipo de trabalho incomoda, incomoda muito, principalmente as pessoas que estiveram no poder e que, no Brasil, diferentemente de outros países da América do Sul, continuam no poder”, observa.

“Não é fácil [desenvolver esse tipo de trabalho], realmente. Na Argentina, no Chile, no Uruguai, não foi simplesmente uma determinação de um dia para o outro, foi uma negociação com o apoio da sociedade civil e, principalmente, uma determinação política. Agora, aqui no Brasil, com um governo de direita, não se quer que essas histórias voltem a sair do subsolo, as histórias dos sobreviventes. Tenta-se colocar concreto em cima e dizer ‘bom, é passado’”.

Quem quiser acompanhar o andamento do projeto pode visitar o perfil do Instagram. O projeto, que dispõe de orçamento bastante limitado, tem dado conta das tarefas com a ajuda de voluntários, inclusive para coletar depoimentos de ex-presos políticos e parentes das vítimas que passaram pelos porões do DOI-Codi.

Foto de Capa: Rovena Rosa|Agência Brasil