Ginecologista alerta que reposição hormonal após a menopausa é essencial para a saúde: riscos de doenças vasculares aumentam de 3 a 10 vezes mais que o câncer quando não é feita

 

Por: Lilian Lopes

 

Segundo a Doutora Priscila Pyrrho, ginecologista especialista em medicina integrativa, é muito comum estudos apresentarem os riscos da reposição hormonal na perimenopausa e na pós-menopausa. Esses riscos, segundo a médica (câncer de mama,evento cardiovascular etc.) precisam ser contextualizados, principalmente dependendo do tipo de hormônio, da via, da dose e por qual motivo é utilizado.

A menopausa corresponde ao último ciclo menstrual, ou seja, à última menstruação e costuma atingir as mulheres na idade de 45 a 55 anos. Quando ocorre por volta dos 40 anos, é chamada de menopausa prematura ou precoce.

Por ser uma fase inevitável da vida, precisa ser vivenciada com qualidade pois traz muitas mudanças ao organismo da mulher, como:

Irregularidades menstruais;

Menstruações mais escassas;

Hemorragias;

Ondas de calor;

Atrofia (enfraquecimento ou afinamento da mucosa) dos órgãos genitais etc.

Para Priscila, durante essa fase, é indicado que a paciente faça a reposição hormonal, que ajuda a melhorar a saúde de todo o organismo e não apenas do aparelho reprodutivo.

“Existem consequências para a saúde em outros sistemas que não apenas o aparelho reprodutor. A não reposição pode acarretar em alteração metabólica ou cardiovascular, problemas no sistema respiratório e intestinal, pois a repercussão na saúde é sistêmica”, explica.

Importância da reposição hormonal

Priscila defende que os hormônios são tão importantes que, quando uma mulher entra na menopausa precocemente, ou seja, quando ocorre a falência ovariana prematura, há um aumento do risco de doenças crônicas não transmissíveis, como: as doenças cardiovasculares, diabetes, doenças neurológicas degenerativas, síndrome metabólica, entre outras.

“Estudando esse grupo de mulheres e vendo a repercussão, a gente consegue afirmar que os hormônios têm sim um papel fundamental na nossa longevidade e na nossa qualidade de vida, ajudando a redução do aparecimento de doenças a longo prazo”, explica.

Outro ponto importante para a médica é que, quando não é feita essa reposição, o risco de doenças cardiovasculares aumenta de 3 a 10 vezes mais que o câncer, sendo a principal causa de morte da pós-menopausa.

“O estrogênio é um protetor contra doenças coronarianas e cardiovasculares. Essa reposição hormonal reduz a mortalidade por todas as causas em 30% a 48% quando iniciada precocemente”, alerta.

Outras doenças que podem ser causadas pela falta de reposição, segundo a especialista, são:

Dislipidemia, aumento do colesterol ruim e redução do colesterol bom;

Aumento do risco de obesidade sistêmica e visceral;

Aumento do risco de diabetes e da resistência à insulina;

Aumento do risco de síndrome metabólica;

Aumento da osteoporose, pois há uma perda óssea de 3% ao ano na pós-menopausa, dobrando o risco de fraturas e até de perda da locomoção com o tempo;

Alteração da visão devido à degeneração da mácula do olho;

Perda auditiva;

Alterações do sistema nervoso central, porque o estrogênio atua na administração cerebral de glicose para a atividade dos neurônios;

Risco de depressão, declínio da função cognitiva, perda de memória, demência, doença de Alzheimer e enxaquecas.

Aumento de doenças respiratórias, como alergia, rinite, sinusite, asma;

Aumento do risco de colite, câncer de cólon e neoplasias ligadas ao intestino;

Aumento de pelos (hirsutismo) em até 39% das mulheres, pela falta de estrogênio;

Maior chance de desenvolver alopécia androgenética;

Maior incidência de doenças dermatológicas.

 

Foto de Capa: Freepik

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,