Inflamação no ombro pode limitar movimento do membro

Dr. Luis Alfredo Gomez ressalta a importância de fazer pausas entre as atividades que exigem movimentos repetitivos

 

Por: Patrícia Soares/Predicado Comunicação

 

Pessoas que trabalham realizando movimentos repetitivos com as articulações e sem uma pausa para alongamento estão propensas a terem bursite ou tendinite, sendo o ombro uma das partes que mais sofrem com essas inflamações. A bursite atinge as bursas, presentes em todas as articulações do corpo e os ossos e os músculos. São cerca de 70 distribuídas por todo o organismo. Já a tendinite ocorre por uma inflamação do tendão, devido ao excesso de esforço, trauma ou envelhecimento das estruturas, com atrofia e degeneração.

O cirurgião do ombro e cotovelo, Dr. Luis Alfredo Gomez, explica que a bursite no ombro pode ser causada pelo uso em excesso da articulação, especialmente em movimentos que elevam o braço acima da linha da cabeça. Nadadores, pintores e faxineiras costumam desenvolver a lesão. “A bursite no ombro pode surgir também após movimentos bruscos, como levantar um objeto muito pesado, ou cair no chão e apoiar-se com as mãos”, fala.

A inflamação na bursa ocasiona inchaço, dores e vermelhidão na área afetada e pode limitar o movimento do ombro quando atinge o tendão “A bursite, quando é acompanhada de uma inflamação no tendão, pode incitar um depósito de cálcio dentro das fibras, o que chamamos de tendinite calcária. Esses depósitos de cálcio atingem com mais frequência os ombros e o quadril, e com o tempo a região pode enrijecer e limitar os movimentos” ressalta o especialista.

No caso da tendinite, ela é ocasionada por um processo inflamatório do tendão, que tem como principal sintoma a dor forte na região que está sendo afetada pela inflamação. De acordo com o especialista, a principal causa da lesão, assim como a bursite, é o esforço repetitivo que, em boa parte das situações, é caracterizada por uma doença ocupacional, pelo fato do indivíduo ficar por horas realizando o mesmo movimento.

Entre as medidas e tratamentos indicados para a bursite e tendinite estão o repouso e alongamento antes e durante a atividade que está causando a inflamação. O uso de anti-inflamatórios e fisioterapia são opções quando o repouso não resolve. “Percebendo que os sintomas não melhoram, procure um ortopedista para que o tratamento mais indicado ao caso seja iniciado”, conclui.

 

 

Sobre o Dr. Luis Alfredo Gomez

Luis Alfredo Gomez é médico ortopedista, especialista em cirurgia de ombro e cotovelo. Doutorando em Ciências Musculoesqueléticas pela USP (Universidade de São Paulo) e presidente Nacional da SBCOC (Sociedade Brasileira de Cirurgia de Ombro e Cotovelo) em 2022.

À imprensa, o médico pode falar sobre variados tipos de problemas e lesões envolvendo o ombro e cotovelo, causados no trabalho; em acidentes automobilísticos; no esporte; por esforço repetitivo; além de esclarecimentos sobre diagnósticos, tratamentos e prevenção.

 

Foto de capa: Divulgação/Predicado Comunicação

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,