Instituto Estáter e Sociedade Brasileira de Infectologia anunciam primeira fase da campanha “alert(ar)” para conscientização de sintoma silencioso da Covid-19

A iniciativa visa chamar a atenção sobre a importância de acompanhar os níveis de saturação de oxigênio no sangue (oximetria) para um diagnóstico precoce da doença e evitar a chamada ‘hipóxia silenciosa’ nos pacientes, especialmente de grupos de risco

Por Eduardo Ritsche/Ascom

O Instituto Estáter (IE) e a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) anunciaram nesta segunda-feira (13) o início da campanha “alert(ar)”, que, num primeiro momento, pretende conscientizar a população sobre a importância de se medir e monitorar os níveis de saturação de oxigênio no sangue durante a pandemia de coronavírus e, numa segunda etapa, repassar oxímetros para unidades de saúde existentes em comunidades carentes.

Os estudos mostraram que parte importante da sobrecarga nas UTIs e das mortes por coronavírus é causada pela hipóxia silenciosa, doença caracterizada por não ter sintomas perceptíveis – o paciente não se queixa da falta de ar, mas apresenta queda no nível de oxigênio sanguíneo— A experiência internacional mostra que pacientes com perda de oximetria constatada precocemente podem ser submetidos a métodos mais simples e menos invasivos de oxigenação, ministrados apenas clinicamente ou em leitos de enfermaria, etapa anterior ao tratamento intensivo, com recuperação mais rápida — diz Clovis Arns da Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia.

O Instituto Estáter compila desde o início da pandemia uma base de informações de mais de 20 países diretamente de fontes primárias, como ministérios da Saúde ou secretarias de Estado. As curvas de mortalidade por hipóxia silenciosa no mundo mostram que a medição do oxigênio das populações mais vulneráveis poderia ser um dos caminhos auxiliares para detecção e tratamento precoces da doença.

— Estabelecemos uma aliança baseada em protocolos e referências científicas para agir de forma coordenada e reunindo recursos para apoiar os esforços e o planejamento do sistema de saúde — explica Pércio de Souza, fundador do Instituto Estáter.

Fases da campanha

A campanha “alert(ar)” terá duas fases distintas. Na primeira, anunciada nesta segunda, a meta é repassar a informação de que medir o nível de oxigênio no sangue pode ser uma das medidas mais eficientes para o diagnóstico precoce da covid-19. Além de conscientizar a população, a primeira fase pretende reunir parceiros e entidades da sociedade civil para que a segunda etapa, a de implementação, ainda sem data prevista, ocorra de forma planejada e abrangente.

De acordo com Cunha, agora as entidades se reunirão para discutir como será realizada a estratégia de divulgação da campanha nas comunidades. Conforme Souza, o Todos pela Saúde iniciou o mapeamento das regiões que necessitarão dos equipamentos e adquirirá, nas próximas semanas, 104 mil oxímetros para distribuí-los em todo o Brasil. A logística será feita em parceria com as secretarias de Saúde. A medição da oximetria em moradores das comunidades será realizada pelo agente de saúde local.

Segundo os idealizadores, o reconhecimento da iniciativa já reúne apoio institucional de empresas como O Boticário, Embraer, Gol, Grupo Ultra, Klabin e banco Voiter, assim como entidades da sociedade civil organizada como a Central Única das Favelas (Cufa) e o Todos Pela Saúde, e entidades como Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) e Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib)

Redacão Jornal do Sudoeste

Redacão Jornal do Sudoeste

Desde seu lançamento, o JS vem revolucionando a imprensa regional. Foi e continua sendo pioneiro na adoção de cores em todas as suas páginas e no lançamento de suplementos especiais que extrapolam o simples apelo comercial, envolvendo a comunidade em reflexões sobre temas de interesse geral por ocasião do Natal e dos aniversários de emancipação de municípios da sua área de abrangência de circulação.
Categorias , ,