Manchas de óleo: Bahia Pesca realiza nova análise de pescado coletado no litoral baiano

Da Redação*

 

Promovida pela Bahia Pesca, Empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri), uma nova análise dos pescados coletados nas cidades bahianas atingidas pelas manchas de óleo que afetam o Nordeste brasileiro demonstrou que 99% dos animais avaliados não estão com hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA) em níveis acima dos indicados pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) como seguros.

A pesquisa foi feita entre os dias 24 de outubro e 20 de novembro de 2019, utilizando como objeto 71 amostras, entre as quais ostras, caranguejos, siris e pescados. As coletas ocorreram nos municípios de Conde, Jandaíra, Entre Rios, Salvador, Itaparica, Vera Cruz, Camaçari, Belmonte, Porto Seguro, Taperoá, Nilo Peçanha, Canavieiras, Ilhéus, Itacaré, Maraú, Cairu, Valença, Jaguaribe, Igrapiúna, Ituberá, Camamu, Caravelas, Alcobaça, Prado e Santa Cruz Cabrália.

Os resultados da análise foram enviados para as Agências de Vigilância Sanitária, que têm competência para assegurar a segurança do consumo.

Dentre as 71 amostras avaliadas, apenas uma apresentou índice de contaminação acima do estabelecido pela Anvisa como seguro. Trata-se de animal coletado em Cairu, no qual foi identificado 31 mcg/kg (Microgramas por Quilo) de HPA carcinogênico. O índice considerado seguro pela Anvisa é de 18 mcg/kg.

A Bahia Pesca tem a intenção de realizar uma nova rodada de coleta e análise em fevereiro próximo. No site da Empresa, é possível ter acesso a todo o parecer técnico da pesquisa.

 

 

*Com informações da Assessoria da Comunicação da Bahia Pesca

 

Foto de Capa: Simone Santos/Projeto Praia Limpa.

Jornal do Sudoeste

Categorias