Meu Primo quer aprontar de novo

Tenho um Primo aqui em Feira de Santana que é um danado em matéria de ter votos e enganar bases eleitorais e seus líderes. O “peste” consegue canalizar para si atenções das mais variadas matizes ideológicas, e até fechar compromissos com o demônio, e depois como uma ave de rapina consegue jogar todos no chão, e passá-los para debaixo de seu tapete “persa”.
Já vi o danado dizer que um dia ele será mais famoso que Obama. Talvez consiga, porque sempre encontra alguém para que possa passar a perna. O “peste” do Meu Primo é um “miseravão” em matéria de política. O “peste” sempre consegue ter os votos suficientes para manter seu “status quo”.
Agora que seus correligionários estão a pautar o mundo político, com a criação de novos partidos políticos, Meu Primo arregalou os olhos e acha que de novo vai se dá bem na política. O “peste” pensa longe e mais rápido que qualquer militante da política. Cinicamente já se debandou para um novo partido e diz de alto e bom som que vai gastar até seu último tostão para vencer mais uma vez nas próximas eleições.
Olha, caros leitores, como conheço Meu Primo, acho que o danado não vai gastar é nada! Mas simplesmente arranjar um financiador, que na ilusão de ganhar uma licitação pública fraudulenta de alguma emenda parlamentar, pode apoiá-lo. E ser enganado também…!
Quem conhece as atitudes do Meu Primo tem dito a mim, que o peste pode se dá bem nesse novo processo, mesmo no meio de tantas cobras peçonhentas. Ora, se até raposas velhas que já estavam fora do mundo político voltam para tentar serem vereadores, imagine a grande raposa que é Meu Primo!
Agora uma coisa me preocupa. Os mais próximos do seu circulo secreto, que nos seus rituais tem Logan e Odpar, têm me dito (já que Meu Primo não se preocupa com seus familiares e não os convidam para os seus deleites), que a arrogância do danado é tanta, que no auge da sua espiritual embriaguez escocesa, declama versos satânicos, em que o povo como bois se compra.
Agora uma coisa me preocupa. Quantos na inocente certeza de que se darão bem junto do Meu Primo se bandearão para esse abismo sem futuro, que somente um pode se dá bem, meu próprio Primo?
Mas como a história é a prova dos nove, ficaremos todos que foram enganados até agora pelo "danadão" do sabido do Meu Primo, na “espinha mole”, observando a roda da história. Porque a pior crueldade que é provocada pela história é o desprezo. E o desprezo é mais política das vinganças. Não tenho orgulho do Meu Primo, mais a carapuça cai sempre no lugar certo.
Júlio César Cardoso

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado. Balneário Camboriú-Santa Catarina.
Categorias