Ninguém está acima da lei

Feliz quem pode orgulhoso dizer que tem amigos que pagam as suas contas e ainda lhe proporcionam sítio de lazer com pedalinhos e mais…
 
Causa espécie que parlamentares eleitos não estejam em seu local de trabalho, mas gazeteando ao lado de LULA em plena sexta-feira (6): Gleisi Hoffmann (PT-PR), Paulo Teixeira (PT-SP), Orlando Silva (PCdoB-SP) e muitos outros mamadores da República. 

Enquanto cidadãos humildes não dispõem de solidariedades de políticos para reverter o quadro degradante de nosso sistema público de saúde, o ex-presidente Lula, que enriqueceu na política e camufla propriedades através de laranjas, é cortejado por uma súcia de políticos solertes, que saem em sua defesa para que ele não seja investigado.
Só que as coisas, a partir do processo do mensalão, começaram a mudar no Brasil. E eis que surge auspiciosamente um juiz moderno, como Sérgio Moro, identificado com o sagrado dever de julgar independentemente da natureza do transgressor e que não tem medo de convocar para depor aqueles que se consideram acima da lei, o que deixou Lula desnorteado e bastante incomodado.
Por sua vez, a delação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), vasada ou não, está aí para comprovar as articulações corruptas do PT, do  Lula e de Dilma Rousseff, embora a presidente em manifestação oficial ainda duvide.
   
Para o PT a delação premiada contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é legítima, agora, contra a organização criminosa do PT nenhuma delação premiada é legítima, pois, segundo afirmam, visam apenas a desmoralizar o partido e seus integrantes.
O PT pode enganar sempre os seus empedernidos eleitores, mas não a maioria do povo brasileiro, que está cansada de só pagar imposto para sustentar essa cambada de políticos indecorosos.
Júlio César Cardoso

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado. Balneário Camboriú-Santa Catarina.
Categorias