O futuro está logo ali: países com vacinação avançada retornam aos poucos à normalidade e mostram como eventos podem ser feitos com segurança

Nações como Nova Zelândia e Austrália já realizam shows sem máscara ou distanciamento e Europa ensaia retorno para o Verão

 

Por: Fernanda Ribeiro

Para os brasileiros, ainda parece uma realidade distante, mas países ao redor do mundo vêm mostrando que com boas políticas de prevenção e avanço da vacinação, voltar a viver como antes da pandemia da Covid-19 é possível. Shows sem distanciamento e uso de máscaras já são realidade em nações como Austrália e Nova Zelândia. Nos Estados Unidos, a proteção fácil não é mais obrigatória. E há diversos outros exemplos, segundo Natasha de Caiado Castro, especialista em inteligência de mercado e fundadora da consultoria Wish International, que mostram volta à normalidade e dão um aviso: o futuro pode estar logo ali:

“Os países estão buscando formas seguras de retomar a vida e esses experimentos, de eventos ao redor do planeta que vão dando certo, mostram que a recuperação da economia como um todo, mas especialmente do setor de turismo, um dos mais impactados com as medidas contra a Covid-19, é possível. Não há apenas shows e festivais, mas feiras e congressos que serão fundamentais para a retomada de negócios e a troca de experiências dos agentes, como agências de viagens, hotelaria e aviação”, comenta a especialista.

Turismo: cenário ainda indefinido, mas há progresso

Para os turistas internacionais, há poucas definições, principalmente em relação à entrada em países europeus. Até agora, sabe-se que um passaporte eletrônico, para cidadãos, contendo informações sobre vacinação e testagem, poderá ser usado pelos países membros a partir de 1 de julho (a adesão depende da decisão de cada nação). Mas outros detalhes, como quais vacinas serão aceitas, ainda não foram definidos. Para os brasileiros, Europa e Estados Unidos continuam possibilidade distantes, por conta do alto número de casos e mortes por aqui e um ritmo ainda lento de vacinação.

Natasha acredita que as definições para viagens serão decididas a partir de julho, quando acontece a Cúpula do G7 na Inglaterra. Mas as autoridades do Velho Continente vêm experimentando fórmulas para que locais – e turistas – possam aproveitar o Verão sem grandes riscos: a estação começa em 21 de junho no Hemisfério Norte.

“A alta temporada, que começa no verão, acelerou a vacinação. Temos observado, e as autoridades também, que as pessoas vão sair de casa neste verão, ainda mais depois de um período em que não puderam. É também uma tentativa de minimizar os efeitos que as medidas de restrição, isolamento social, proibição de viagens e etc, vem tendo na economia e no turismo desde o ano passado. A Espanha, que tem uma receita forte vinda do setor, vai permitir a entrada de americanos novamente já no começo de junho, por exemplo. É a visão de recuperar a economia, retomar o turismo e voltar ao normal, sem colocar as pessoas em risco novamente”.

Segundo semestre: a retomada de eventos em todas as áreas

O segundo semestre de 2021 será marcado pela retomada de eventos que foram adiados em 2020. O mais esperado deles, com certeza, são as Olimpíadas de Tóquio. Os organizadores decidirão sobre a presença ou não de público nos estádios e arenas apenas um mês antes do início da competição. Aliás, o setor esportivo também já entrou nesse período de transição que o mundo está passando. Nos Estados Unidos, por exemplo, os jogos da Liga Nacional de Basquete (NBA) já tem público presente – ano passado, o torneio foi disputado em uma área totalmente isolada dentro do complexo de parques da Disney, sem fãs, claro.

Outro evento esportivo que está aos poucos se abrindo e testando o retorno à rotina pré-pandemia é o futebol europeu. A Eurocopa, que reúne as principais seleções nacionais do continente, terá estádios com público reduzido, mas não vazios: 25% da capacidade nas arenas aprovadas pela UEFA. Uma delas é a de Roma, onde acontecerá a abertura do campeonato, no dia 11 de junho. A final será exatamente um mês depois.

Em Copenhagen, o World Pride, evento LGBT+ bianual, que ocorre em sedes diferentes em cada edição, também está confirmado. O evento mostra bem como está funcionando o período de transição para a volta ao normal. As atrações, debates e demais apresentações funcionarão de forma híbrida: parte online, acessível para todo o planeta, e parte presencial – para quem puder (e for autorizado) a estar na cidade no período de 12 a 21 de agosto.

Ao ar livre: tranquilidade

Nos Estados Unidos, onde a obrigatoriedade de uso de máscara já não existe, festivais, shows e eventos ao ar livre estão liberados sem grandes restrições. Um dos mais aguardados é o Lollapalooza, adiado três vezes no Brasil, mas que foi confirmado em Chicago, entre os dias 29 de julho e 1º de agosto. Só será permitida a entrada de pessoas com comprovante de vacinação ou com teste negativo de Covid, feito até 24 horas antes de cada dia de show. Atrações como Foo Fighters, Post Malone, Tyler, The Creator, Miley Cyrus e o DJ brasileiro Vintage Culture foram confirmadas.

Nos EUA, a vacinação já está autorizada para todas as pessoas a partir dos 12 anos, e a previsão é de que até o início de julho, 70% da população esteja vacinada – antes do famoso festival começar. Natasha, que mora no país, vê o avanço no seu dia a dia e torce para que a volta ao normal chegue em outros locais do mundo:

“A volta a uma vida mais parecida ao que existia antes da pandemia é uma boa notícia para toda a sociedade, porque significa que a vacinação avançou, que as medidas de segurança funcionaram e que essas proteções garantiram uma recuperação rápida e efetiva da economia como um todo. Pessoalmente, eu fico emocionada olhando as pessoas sem máscara, se readaptando à rotina. São situações banais, como uma ida ao mercado, que nos deixa marejados. Estamos em um período de transição importante, vendo o que funciona e o que não funciona, testando as possibilidades. Em breve, outros países também estarão nessa fase e, num futuro não muito distante, estaremos ainda mais perto do antigo normal. E acredito que agora com mais consciência”.

 

 

 

 

Foto de capa: Divulgação

Chris Cohen

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,