77 3441-7081 — [email protected]

O Valor da Verdade

Em 30/04/18, véspera do dia do trabalho, o jornal nacional apresenta duas situações em que governantes faltam com a verdade. A ministra britânica Amber Rudd negou sua proposta para a deportação de imigrantes e o ocorrido resultou em sua demissão. O Irã também mentiu sobre armas nucleares, de acordo com o primeiro-ministro de Israel. Ou seja, a mentira de governantes ocorre tanto dentro como fora do Brasil.

No dia 30 de abril de 2018 o presidente, Michel Temer, declara em pronunciamento que o dia do trabalho deveria ser de reflexão e pede para não perdermos a esperança. A minha esperança é que a verdade triunfe nesses cenários de mentiras que somos obrigados a enfrentar quase diariamente. Pois TUDO sem verdade é falso. Não existe progresso sem verdade, assim como não existe amizade, respeito, sinceridade e justiça.

Temer também homenageou os “trabalhadores da mídia e da imprensa livre que têm o compromisso com a verdade e merecem toda a admiração e respeito”. Compromisso esse que deveria ser de todos, assim como o respeito. O corrupto só desvia dinheiro porque ele acredita que a verdade não aparecerá e que não existirá provas que o condene, mas a verdade acaba aparecendo de alguma forma. Acredito que só no caminho da verdade é que melhoramos a nossa realidade, mas podemos colaborar mais.

Em 07/04/2018 o químico brasileiro Willian Cortopassi foi homenageado no Especial Inspiração, no Caldeirão do Huck (veja em: https://globoplay.globo.com/v/6642689/ ) e na sua mensagem pediu para que cada brasileiro fosse um cientista, ou seja, para buscarmos sempre a verdade, o conhecimento, para transformar o nosso Brasil, para mudar uma realidade insatisfatória, ninguém precisa de título para isso, só de boa vontade. Podemos procurar pela verdade de diversas formas, como por exemplo, fazendo o que se chama de investigação livre, através de fontes abertas como a internet que é utilizada pelos “detetives digitais”.

Eliot Higgins é um desses investigadores, responsável pelo documentário “Guerra a la mentira”, veja em: http://www.rtve.es/alacarta/videos/en-portada/portada-64/3892038/. Um simples cidadão britânico que depois de ver no noticiário a morte de centenas de crianças, como sua filha, que morreram no ataque do dia 21 de agosto de 2013, em Guta na Síria, resolveu investigar e procurou a verdade sobre aquela matança.

É interessante observar nesse documentário como ele descobriu que foram utilizadas armas químicas fabricadas pelos Estados Unidos e a mentira de países como a Rússia, que era aliada do ditador Bashar Al-Assad, e que negou sua participação nos crimes de guerra cometidos naquela região. Muitas verdades foram descobertas por iniciativa de um cidadão comum, através do avanço tecnológico, apesar da distância e de não conhecer o idioma daquele povo.

“Em um mundo de guerra onde os poderes tentam impor a sua verdade a investigação de fontes abertas luta para descobrir as mentiras oficiais” diz o documentário e enfoca também a importância da mídia nessa busca pela verdade. O brasileiro Willian Cortopassi e o britânico Eliot compartilham da mesma ideia, de motivar todo cidadão a buscar a verdade, a ser mais um cientista.

Precisamos entender que algumas situações só mudam se a verdade vem à tona. Como os abusos sexuais praticados pelo ex-técnico da seleção brasileira masculina de ginástica artística. Portanto destaco também a importância da denuncia, pois é a partir do conhecimento sobre o que ocorre que essa realidade pode ser mudada. É possível também que o caso do médico Larry Nassar condenado a 175 anos de prisão por abuso sexual nos Estados Unidos, tenha encorajados esses jovens a denunciar os abusos. A condenação do médico pode ter sido um bom exemplo de que vale a pena denunciar e que a justiça existe.

O ex-técnico da nossa seleção negou as acusações e disse “Eles vão ter que provar na justiça”. Muita gente deixa de denunciar por achar que não tem provas, mas quem deve ter medo é quem mente. O cidadão de bem só precisa falar a verdade, a polícia e as autoridades competentes é que vão buscar as provas. Denuncie o que está errado e acredite na força e no valor da verdade.

Rosita Capelo Fonteles

Doutoranda em Psicopedagogia na UAH (Universidad de Alcalá de Henares), Espanha e pesquisadora de proposta educativa voltada para o desenvolvimento humano;  autora do programa Cinquenta Minutos de Valores Humanos para o Ensino Superior (disponível gratuitamente em:http://www.cincominutos.org/cinquenta.minutos.htm); membro da equipe pedagógica do Programa Cinco Minutos de Valores Humanos para a Escola; especialista em Educação Biocêntrica pela UECE (Universidade Estadual do Ceará); especialista em informática pela UFC (Universidade Federal do Ceará); licenciada em letras pela UECE, Brasil.

Categorias