Oftalmologista alerta pais sobre o avanço da miopia em crianças mais novas

A recomendação é que os pais estimulem atividades ao ar livre e controlem o uso de celulares e demais dispositivos tecnológicos

 

Por Ascom

 

Está constatado que o distanciamento social, o excesso de uso de telas digitais e a redução de atividades ao ar livre intensificaram o avanço da miopia no mundo, e, por isso, é importante que os pais evitem que crianças mais novas usem tablets, celulares e computadores por muito tempo. O alerta é da médica oftalmologista Tania Schaefer, presidente da SOBLEC – Sociedade Brasileira de Lentes de Contato, Córnea e Refratometria. De acordo com ela, “o estado refrativo das crianças mais novas pode ser mais sensível às mudanças ambientais do que as de idades mais velhas, porque estão em um período crítico para o desenvolvimento da miopia. O crescimento do olho é maior neste período de vida”.

A oftalmologista enfatiza que a pesquisa científica “Progressão da miopia em crianças em idade escolar após Covid-19 – Confinamento Domiciliar”, elaborada pelo doutor Jiaxing Wang, concluiu  que o confinamento domiciliar durante a pandemia parece estar associado a uma mudança significativa de miopia em crianças de 6 a 8 anos, de acordo com os exames de fotos em escolas de 2020.  Tania Schaefer ressalta que o tempo gasto em atividades ao ar livre diminuiu devido ao confinamento e as horas a mais que as crianças ficaram conectadas ao aparelhos eletrônicos muito próximos ao rosto, ocasionaram um  crescimento nos casos de miopia precoce, ampliando a dificuldade em enxergar para longe.

Segundo a oftalmologista, a pesquisa, publicada na edição de 03 de fevereiro de 2021, na revista científica JAMA Ophthalmology, envolveu mais de 120 mil crianças de 10 escolas primárias em Feicheng, China, e mostrou que os casos de miopia entre crianças de 6 anos aumentaram 400% nos cinco primeiros meses de distanciamento social de 2020, em comparação aos anos anteriores. Entre os participantes com 7 anos o aumento foi de 200% nos casos de miopia, e aos 8 anos a alta foi de 40%.

Tania Schaefer, com base no resultado da pesquisa, afirma que a miopia está avançando em ritmo acelerado o que revela que está surgindo uma nova geração de míopes. “São as crianças mais novas que forçam a visão em telas digitais de uma maneira excessiva e, ao mesmo tempo, não realizam atividades foram de casa”, frisa.

“O significativo aumento na prevalência da miopia em crianças tem sido fonte de grande preocupação para oftalmologistas e pediatras”, observa Tania Schaefer.  E neste cenário, a SOBLEC iniciou no ano passado a campanha “Alerta Permanente contra a Miopia”, uma iniciativa que conta com o apoio do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), Sociedade Brasileira Oftalmologia Pediátrica (SBOP), Sociedade Brasileira de Visão Subnormal (SBVSN), Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo (SBRV), Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

O alerta da SOBLEC recomenda que os pais estimulem atividades ao ar livre e controlem o uso de celulares e demais dispositivos tecnológicos. Além disso, é indispensável que levem os filhos com mais frequência aos consultórios oftalmológicos, para que se oferece o tratamento mais adequado. “A campanha da SOBLEC quer conscientizar os pais sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce da miopia. É importante frisar que a miopia quando não tratada pode causar vários problemas oculares, inclusive, levar à cegueira”.

 

Foto de Capa: Médica oftalmologista Tania Schaefer, presidente da SOBLEC. Divulgação.

Jornal do Sudoeste

Categorias ,