Pedaços de nós

PARIS – Aquele velho de costas curvas e cabelos brancos dirigindo seu táxi pelas largas avenidas de Barcelona, semanas atrás, e me falando orgulhoso dos tempos de suas lutas operárias no Partido Comunista espanhol, era um pedaço de nós.

Aquele homem de longos cabelos brancos e mãos encarquilhadas, comendo seu pincho na Tasca de Sevilha no último domingo, e relembrando sua participação nas disputas anarquistas da Andaluzia, também era um pedaço de nós.

Os dois refazem um passado que não volta mais.

Tristão de Athayde, o sábio, nos ensinou que “o passado não é o que passou, é o que ficou do que passou”.

E Mário Vargas Llosa, prêmio Nobel de Literatura do Peru, reconstruindo seus 80 anos em uma extraordinária entrevista ao jornal “El Pais”, acaba de dar uma lição de como não perder o que foi.

O PASSADO

60 anos atrás, vindos de todos os cantos, nós éramos um punhado de jovens participando das lutas pela paz de seus países, neles ou nas terras dos outros. Um dia era Moscou, depois Pequim, Praga, Viena, Berlim, Varsóvia, Roma, Paris. Às vezes no Congresso Mundial de Estudantes em Viena. Ou no Festival Mundial da Juventude em Moscou.

Passávamos por toda a Europa participando de lutas que não eram só nossas, mas da humanidade. Agora, 60 anos depois descobrimos quanto éramos felizes por fazer parte dos sonhos do mundo. O terrível é descobrirmos que já não somos os mesmos, e, sobretudo já somos tão poucos. Os que resistimos, os que continuamos não perdemos nossas histórias. Infelizmente para tantos o passado se foi.

UBIRAJARA

O Cientista Nuclear Ubirajara Brito, saído da Escola de Engenharia da Bahia e ajudando a França a construir sua bomba atómica em Grenoble, e participando da construção da Universidade da Argélia com a equipe de Oscar Niemeyer, não perdeu o passado. Constrói sua Faculdade e seu Jornal lá em Vitória da Conquista, na Bahia.

Na Universidade do sul da Bahia, o professor Sohane Nazareth continua perpetuando suas lições. Em Uberlândia, com sua beleza e suas lutas sociais, cuidando de sua fazenda com os admiráveis irmãos Azevedo, Martha Pannunzio não perdeu o charme de rainha do Festival Internacional da Juventude em Moscou em 1957.

NAPOLEÃO

Outros o passado levou como nosso simpático e inesquecível usineiro em Moscou, todo vestido de branco e o sorriso permanente no rosto, Napoleão Moreira, pai do imperador das águas de São Miguel dos Milagre, em Alagoas, Maurício Moreira. Como também levou há ainda pouco o sereno publicitário alagoano Murilo Vaz.

Tantos também se foram e não sabemos mais. Onde andará José Faerman Pathé, o cantor das multidões socialistas, vindas de São Paulo? Por onde anda o Roque, Diretor do Sindicato dos Trabalhadores de Volta Redonda no Rio com seu braço todo queimado?

Todos nos encontrávamos na “Universidade da Amizade dos Povos”, a “Universidade Lumumba”, daquela Moscou de 1955 a 57.

Gabriel Garcia Márquez, jornalista e escritor colombiano já começando a fazer sucesso, 5 anos mais velho do que nós, ainda não sonhava com o Nobel de Literatura.

KREMLIN

No desfile diante dos muros do Kremlin, os heróis daquele nosso mundo recebiam aplausos que a alguns a história depois negou, e a outros confirmou como Mao Tsé Tung, Hoshimim e Che Guevara.

Em Cracóvia, na Polônia, embaixo de nossos olhos, no Congresso Mundial de Estudantes, a história juntava o jovem estudante comunista da Universidade de Moscou Mikhail Gorbachev e o diretor do Instituto Católico da Polônia padre Wojtyla, que depois se juntaram e fizeram esvair-se o comunismo no Leste europeu. Ninguém me contou, eu vi. E aquele atlético e sorridente sacerdote pôs em minhas mãos tensas, a penca de chaves do seu Instituto para nele realizarmos o nosso Congresso Mundial de Estudantes.

PELICANO E BERLINGUER

Não eram apenas latino-americanos os presentes nestas histórias. Pelikano, Presidente da União dos Estudantes da Tchecoslováquia e Giovanni Berlinguer, presidente da União Internacional dos Estudantes, que reencontrei como senadores italianos em Roma, lutaram até o fim.

Ao longo dos anos ambos construíram sólidas amizades com dirigentes políticos de suas gerações, como Raimundo Eirado, Presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes).

Hoje, olhando o Sena, de cima das pontes eternas aqui de Paris, jogo meus 83 anos na balança e vejo que valeu a pena.

Júlio César Cardoso

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado. Balneário Camboriú-Santa Catarina.
Categorias