Pesquisador recebe prêmio da CNA por melhoramento de trigo para o Cerrado

Prêmio CNA Agro Brasil 2022 destaca cultivar adaptada ao Cerrado com recorde mundial de produtividade.

Por: CERRADOS NCO

Os mais de 30 anos dedicados à pesquisa ao melhoramento genético para o desenvolvimento de cultivares de trigo adaptadas ao Cerrado brasileiro foram reconhecidos pela Confederação Nacional de Agricultura (CNA). O Prêmio CNA Agro Brasil 2022, que homenageia profissionais e personalidades que contribuíram para o desenvolvimento da agropecuária brasileira, foi entregue ao pesquisador da Embrapa Cerrados, Júlio Albrecht, na categoria Pesquisa e Desenvolvimento. A consagração evidenciou a cultivar BRS 264, que detém o recorde mundial de produtividade de 9,6 mil quilos por hectare. A média do Brasil é de pouco mais de 3 mil quilos por hectare.

A partir das pesquisas voltadas para o cereal e o lançamento de diversas cultivares, frutos dos trabalhos de melhoramento genético conduzidos nos campos experimentais da Embrapa Cerrados, o pesquisador acredita que em breve o Brasil poderá alcançar a autossuficiência na produção do grão: “O potencial do agro tropical é muito grande. Acredito que, com o trabalho da Embrapa, ainda vamos exportar trigo para o mundo”. A demanda brasileira atual é de 12,5 milhões de toneladas. O pesquisador informa que já na próxima safra o País deve colher 9,5 milhões de toneladas, um aumento expressivo em relação aos anos anteriores, quando a produção atendia 50% do consumo da população.

 O presidente da CNA João Martins também aposta nisso. “Com certeza, vocês vão ver que daqui mais algum tempo o Brasil se torna autossuficiente em trigo, com o trigo que está sendo implantado no Cerrado, contrariando tudo o que era dito em anos anteriores”, disse à plateia durante a cerimônia realizada no último dia 13.

O presidente da Embrapa Celso Moretti ressalta a relevância do reconhecimento: “Esse prêmio é muito merecido. Tenho sempre enfatizado a importância do desenvolvimento do trigo no Cerrado em minhas falas”.

Anos de dedicação

Albrecht conta que no Rio Grande do Sul, ainda menino, no município de Carazinho, ele via as lavouras de trigo que ficavam a três quadras de sua casa, quando o grão o encantou. “Há 35 anos, quando chegamos aqui [em Brasília], ainda na década de 1980, ninguém acreditava no trigo. Mas a Embrapa, desde a sua criação, sempre acreditou no trigo tropical aqui no Cerrado. Quando eu cheguei [à Empresa] em 1985, peguei esse início de trabalho, quando a produtividade do trigo era de 2,5 mil quilos por hectare”, lembra.

O recorde de produtividade foi alcançado em uma propriedade em Cristalina (GO), em um ciclo de produção de 119 dias. O pesquisador explica: “O recorde mundial é da Nova Zelândia, com 17 mil quilos por hectare, mas com um ciclo lá de 317 dias, ou seja, cerca de 54 quilos por hectare por dia. Aqui, nós colhemos 9,6 mil quilos em um ciclo de menor, o que dá quase 81 quilos por hectare por dia”.

Hoje, o Cerrado é a região que produz o melhor trigo do País e um dos melhores do mundo para panificação, por sua força de glúten. A região tem potencial para aumentar em dez vezes sua área de produção, com produção de mais de 4 milhões de toneladas. “O potencial do trigo tropical é muito grande”, enfatiza.

O aumento de produtividade é um dos fatores que podem levar à autossuficiência do Brasil, além das novas fronteiras que estão se abrindo para o cultivo do grão. Há trabalhos em andamento para avaliação de cultivos em Alagoas, Piauí, Roraima e Ceará. Neste último, os resultados são promissores, chegando a 4,7 toneladas por hectare em um ciclo de 80 dias. Albrecht destaca ainda a importância das pesquisas para a economia nacional, que pode reduzir a importação do cereal: “O trigo só perde para o petróleo em termos de divisas que saem do País. É muito dinheiro que nós gastamos comprando trigo de fora”.

Conheça mais sobre o trigo do Cerrado.

A premiação

O Prêmio CNA Agro Brasil foi criado em 2016 para destacar o trabalho de profissionais, personalidades e instituições que tenham contribuído para o desenvolvimento do setor agropecuário brasileiro com ações que se revertem em benefícios diretos a toda sociedade. São quatro as categorias: Pesquisa e Desenvolvimento; Comunicação; Política; Destaque.

Neste ano, na categoria Comunicação, recebeu o prêmio a jornalista Kellen Severo, especializada em economia e agronegócio, apresentadora do quadro A Hora H do Agro, da Jovem Pan News.

Na categoria Política, o homenageado foi o senador Jayme Campos (União Brasil – MT), integrante da Frente Parlamentar da Agropecuária. Campos falou sobre a importância de se investir em infraestrutura para melhorar a competitividade da agropecuária brasileira, principalmente na logística de transporte para escoamento da safra.

Na categoria Destaque, o vencedor foi o deputado Arthur Lira (Progressistas – AL), presidente da Câmara dos Deputados.

Assista à cerimônia de premiação completa.

Mais premiação

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal (Crea-DF) realizou solenidade para a comemoração do Dia do Engenheiro, quando homenageou o pesquisador da Embrapa Cerrados, Nilton Junqueira, por suas importantes contribuições à agronomia.

Em evento que reuniu mais de 180 profissionais no último dia 12, o conselho destacou o trabalho de outros sete profissionais e a Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília pelos serviços prestados a engenharia, agronomia e geociências.

 

 

Foto de Capa: CNA

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,