Pesquisadora da Uesb propõe ensino do respeito aos animais na Educação Básica

Por Ascom/ Uesb

 

Você sabia que cuidar dos animais também é uma forma oferecer proteção aos seres humanos? Foi o que identificou Daiana Kelly Lisbôa, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino da Uesb em sua pesquisa. Intitulada “O uso de metodologias alternativas para o ensino do respeito aos animais para alunos da Educação Básica de Vitória da Conquista”, a pesquisa orientada pela professora Gabriele Marisco, do Departamento de Ciências Naturais (DCN), consiste em, ainda nos primeiros anos escolares, ensinar as crianças a respeitar os animais de estimação. Na visão da pesquisadora, o trabalho contribui para evitar que a falta de cuidados relacionados à alimentação, higiene e vermifugação possam ter impactos negativos na vida desse animas e de toda a sociedade.

A cientista se propôs a investigar de que forma o mal-estar e as péssimas condições de saúde de animais interferem negativamente em nossas vidas. Isso porquê as zoonoses, doenças infecciosas transmitidas entre animais e pessoas, podem desencadear em problemas a saúde dos animais e dos seres humanos. Segundo a pesquisadora, os patógenos, caracterizados como bacterianos, virais ou parasitários, podem envolver agentes não convencionais que espalham doenças para os humanos por meio do contato direto ou através de alimentos, água ou meio ambiente.

Ainda de acordo com Lisbôa, o crescimento exacerbado da população de animais abandonados em condição de vulnerabilidade resulta em um aumento da ocorrência de agressões, acidentes e zoonoses.

Conhecer para respeitar – O tema da dissertação da mestranda está relacionado à luta pelo respeito aos animais. Por entender que essa ação deve ocorrer ainda na fase infantil, a pesquisadora selecionou turmas de 4º e 5º anos da Escola Municipal Nossa Senhora Aparecida, em Vitória da Conquista, para trabalhar com o ensino do respeito aos animais.

A pesquisadora explica que, ao longo dos anos, o ser humano estreitou a relação com a espécie animal e, por isso, essa relação deve ser consciente. “Abordamos o respeito aos animais que compõem a fauna urbana, que corresponde ao grupo de espécies de aves, artrópodes, répteis, anuros e mamíferos”, aponta.

O estudo foi desenvolvido semanalmente, por meio de uma sequência didática com cinco planos de aulas, abordando tópicos como a relação entre o humano e demais animais, a fauna urbana, a expressão de emoções dos animais, os cuidados e respeito para com os animais. Antes de transmitir o conteúdo, a pesquisadora optou por conhecer o perfil da turma. Em sua primeira atividade, ela propôs que os alunos preenchessem um questionário. Seu objetivo era avaliar o conhecimento prévio dos estudantes sobre as emoções e o comportamento dos animais, os cuidados e o respeito com os animais.

Já com esses dados em mãos, foi sugerida a discussão do assunto em sala de aula e fixação do conteúdo por meio de atividades lúdicas, como jogo das pistas, jogo das famílias, jogo de tabuleiro, jogo de cartas, caça-palavras, cruzadinhas entre outras atividades.

Material didático – A pesquisadora considera que, se as pessoas tiverem conhecimento, ainda na infância, sobre o respeito aos animais, as ocorrências de doenças, agressões, acidentes e práticas de maus-tratos podem sem reduzidas. Foi pensando no impacto a longo prazo, que Lisbôa criou um material didático para fornecer apoio pedagógico para os professores da Educação Básica, com orientações sobre a relação entre o ser humano e os animais, no âmbito da Educação Ambiental.

“Acredito que essa liberdade em construir conhecimentos das mais variadas áreas é um grande incentivo”, define a pesquisadora. Além do desejo pessoal de trabalhar com o tema, ela reforça a importância de abordá-lo. “É fundamental oferecer, cada vez mais, espaço para que essa discussão seja ampliada, seja por meio do ensino, da pesquisa, ou da extensão”, finaliza.

 

Foto de Capa: Divulgação.

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,