Premiação reconhece boas práticas de professores da Educação Infantil durante a pandemia

Promovido por Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, Undime e Itaú Social, prêmio destacou 100 iniciativas inspiradoras neste período de ensino remoto

Por Luana Rodriguez/Ascom
Jocilene Barbosa, do município de Campina Grande (PB), é uma entre as 100 diferentes histórias espalhadas Brasil afora e premiadas ontem, 31 de março, pela sua prática docente durante a pandemia. A paraibana utilizou fotografias para trabalhar a identidade, a socialização e o desenvolvimento da oralidade dos seus alunos.

“O projeto tinha como foco mediar as vivências familiares e o cotidiano escolar. Também trabalhamos com a ludicidade, fazendo com que as próprias crianças tirassem fotos de seu cotidiano”, explica a professora.

Essa é uma das práticas de professores da educação infantil que tiveram a importância do trabalho reconhecido e valorizado pelo Prêmio Educação Infantil: Boas Práticas de Professores Durante a Pandemia, uma inciativa da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, em parceria com a Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) e o Itaú Social.

A premiação revelou, nesta quarta-feira (31) e de forma online, os 100 vencedores do prêmio, ganhadores de R﹩ 1.000 (mil reais) cada um. A justificativa do prêmio é o fechamento forçado, desde 2020, das unidades escolares, medida que desafiou pais/cuidadores e professores a se reorganizarem e assumirem o desafio de coordenar a aprendizagem das crianças de uma maneira até então impensada: à distância.

“Nosso objetivo foi trazer luz a iniciativas inspiradoras e que fizeram a diferença para as crianças e as famílias nessa pandemia. É importante que a sociedade saiba o significado e a relevância da Educação Infantil por meio das histórias e práticas dos professores, crianças e famílias”, justifica Mariana Luz, CEO Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal.

No total, mais de 700 práticas de todo Brasil foram inscritas e 100 iniciativas sagraram-se vencedoras, contemplando 15 estados e o Distrito Federal. As regiões Sul e Sudeste foram as com maior número de inscrição e concentraram boa parte das práticas premiadas, sendo 51% e 30%, respectivamente.

O Estado de São Paulo teve o maior número de vencedores, 34, seguido por Santa Catarina (13), Rio Grande do Sul (12) e Minas Gerais (11). Rio de Janeiro (06), Paraná (5), Amazonas (04), Ceará (03), Pernambuco (03), Paraíba (02), Goiás (02), Piauí (01), Distrito Federal (01), Rio Grande do Norte (01), Tocantins (01) e Rondónia (01) completam a lista de vencedores.

Drielly Santos, professora de Ariquemes (RO), utilizou a história dos três porquinhos para explicar para as crianças a pandemia. No conto, o lobo mau era o coronavírus e ele não conseguia derrubar a casa dos porquinhos.

“Mandei a história para as crianças e pedi que elas gravassem vídeos mostrando suas casas e vivências. A partir disso, as crianças puderam ter uma convivência virtual e puderam perceber que a realidade de cada um é diferente da do outro”, explica Drielly.

Segundo a professora, durante esse processo, as famílias tiverem o conhecimento de um aluno venezuelano que passava por dificuldades e se mobilizaram para ajudá-lo.

Com uso de recursos do WhatsApp, os próprios brinquedos das crianças, panelas e sucatas, as iniciativas trabalharam aspectos como acessibilidade e inclusão, vínculos parentais, interações, brincadeiras, literatura, direito das crianças e meio ambiente.

“Isso mostra a importância da escola, da formação e dos professores, que, mesmo neste período terrível por qual passamos, encontram caminhos para promover o desenvolvimento das crianças”, defende Beatriz Abuchaim, gerente de Conhecimento Aplicado da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal.

Cada premiado receberá, além do valor monetário, um curso de 40 horas online com atividades síncronas e assíncronas sobre a BNCC e a Educação Infantil. O curso será promovido pelo Instituto Singularidades, parceiro técnico da iniciativa – outro parceiro é a ponteAponte.

Sobre a Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal

Desde 2007, a Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal trabalha pela causa da Primeira Infância com o objetivo de impactar positivamente o desenvolvimento de crianças em seus primeiros anos de vida. As principais frentes de atuação da Fundação são a promoção da Educação Infantil de qualidade, o fortalecimento dos serviços de parentalidade, a avaliação do desenvolvimento da criança e das políticas públicas de primeira infância e a sensibilização da sociedade sobre o impacto das experiências vividas no começo da vida.
Foto de Capa: Divulgação.

Jornal do Sudoeste

Categorias ,