Quem aposta na I Feira Literária de Canudos

Por Joana D’arck

 

De 21 a 24 próximos “o sertão vai virar arte” na lendária Canudos – cidade que se tornou foco da resistência no sertão da Bahia e palco de saga de Antônio Conselheiro, que vai sediar um encontro de arte e cultura, vivências e conhecimento. Serão quatro dias de ampla e variada programação para curtir na I Feira Literária de Canudos – Flican 2019, neste período escolhido pela oportunidade da celebração dos 122 anos da Guerra de Canudos, um dos acontecimentos mais importantes da história do Brasil, ocorrido no final do século XIX.

Da esquerda para a direita, deputados Waldenor e Zé Raimundo, Ester Figueiredo e os secretários Arany Santana (Cultura ) e Jerônimo Rodrigues (Educação)

Nesta primeira edição, a Flican homenageia duas personalidades da história e da cultura do país: o peregrino Antônio Conselheiro e o escritor Euclydes da Cunha. A feira é uma realização da UNEB, em parceria com a Prefeitura Municipal de Canudos e secretarias estaduais (Cultura, Educação, Justiça e Desenvolvimento Social). Conta também com o apoio da Assembleia Legislativa da Bahia, que através da intermediação do deputado Zé Raimundo está disponibilizando 700 livros de uma variedade de títulos do catálogo da Editora ALBA para distribuição gratuita, além de  mil unidades do livro Cartografia de Canudos, de José Calasans, impresso especificamente para o evento.

Antes mesmo de estrear, a Flican sinaliza que vai se repetir anualmente, a exemplo da Feira Literária de Mucugê-Fligê, que vai para a sua quinta realização em 2020, cuja Curadoria tem dado amplo apoio à nova “irmã”. É a expectativa dos organizadores: “Estamos confiantes no êxito da Flican, porque, além da simbologia e importância histórica da cidade, fomos beber na fonte da experiência da Fligê e temos na nossa organização o imprescindível apoio da sua curadora, a professora Ester Figueiredo”, anima-se o curador da Feira de Canudos, professor Luiz Paulo Neiva. Inclusive parte da programação da Fligê foi incorporada pela Flican, destacando-se aí a exposição “Bello Monte/Canudos: A Terceira Margem”, com obras do artista plástico conquistense Silvio Jessé.

Sozinho, o curador da Flican, professor Luiz Paulo Neiva.

Outro que aposta firme na Flican é o deputado federal Waldenor Pereira, que estará destinando recursos de suas emendas parlamentares ao orçamento da União em 2020 para a próxima edição da feira. “Temos recebido muitos apoios institucionais e individuais. Nesta estreia já contamos com o apoio de Waldenor, que intermediou a parceria com secretarias. Essa colaboração dele e do deputado Zé Raimundo é importante destacar, porque eles não têm interesse político, eles não são votados no município. O interesse aí é meramente de apoiar pela importância cultural do evento”, afirma o curador.

Outros apoiadores destacados pela Curadoria da Flican são a Fundação Pedro Calmon, Instituto Popular Memorial de Canudos – IPMC, o Centro de Estudos Euclydes da Cunha, UESB e UCSAL. Nos quatro dias de feira, os visitantes poderão acompanhar conferências, mesas de conversa, concerto lítero-musical, lançamento de livros, contação de histórias, oficinas pedagógicas, intervenções artísticas, visitas guiadas, teatro, exposições, filmes e shows, que terão como pano de fundo a história do lugar e a cultura sertaneja. A programação completa está disponível no site: www.flican.com.br.

Jornal do Sudoeste

Categorias