Sete de setembro: como estimular o conhecimento histórico que acompanha o feriado

Mesmo sem desfiles e atividades presenciais nas escolas, que costumam promover o debate sobre o tema, a data pode ser trabalhada no ensino remoto e também em casa

 

Por Ascom – Sistema de Ensino Positivo

 

Todo ano, em setembro, na chamada Semana da Pátria, que abrange o feriado de 7 de setembro, data da Proclamação da Independência do Brasil, é bastante comum escolas promoverem atividades abordando o tema e ajudando a estimular o conhecimento histórico por trás do feriado. Os desfiles cívicos também fazem parte do calendário de comemorações dessa data. Este ano, com a pandemia, os desfiles estão suspensos e as atividades previstas no calendário escolar precisarão sofrer adaptações por conta do ensino remoto. De acordo com o coordenador da Assessoria de História, Filosofia e Sociologia do Sistema Positivo de Ensino, Norton Frehse Nicolazzi Junior, essa não é uma data apenas para ser comemorada com um feriado. “É importante entender efetivamente o significado histórico dessa data, o que ela representou para a época em termos de transformações e rupturas e também em termos de permanência do pensamento colonial”, explica.

Coordenador da Assessoria de História, Filosofia e Sociologia do Sistema Positivo de Ensino, Norton Frehse Nicolazzi Junior. Foto: Divulgação.

Para o educador, um papel importante da escola e do professor como mediador desse conhecimento é combater a tradicionalidade da história que vem desde a década de 1930, com a construção de um nacionalismo que atendia a interesses políticos e se perpetuou por muito tempo. “Atualmente, quando pensamos nessas comemorações do 7 de setembro, é preciso destacar que não se trata apenas do desfile, da aula sobre a independência, mas entender o que há de relevante nisso tudo”. Segundo Nicolazzi, esse trabalho pode ser realizado de forma remota. “Nas aulas on-line, é possível potencializar essas reflexões com o uso de objetos educacionais digitais, já que os professores têm maiores possibilidades de trazer vídeos, jogos e outros tantos recursos para ajudar nessa ressignificação do processo de independência”, sugere.

E para quem quer explorar um pouco mais o tema em casa, uma dica do coordenador é a obra em quadrinhos “Dom João Carioca – A corte portuguesa chega ao Brasil”, que traz uma perspectiva interessante, animada e descontraída, que atrai mais facilmente as crianças e pode ser aproveitada como uma leitura em família, além de proporcionar a ideia da independência como um processo, iniciado anos antes. A obra ganhou uma versão em série animada, disponível no YouTube do Canal Futura. Outra indicação é o livro 1822, de Laurentino Gomes, que segundo Nicolazzi, não se trata de uma obra de historiografia, portanto, deve ser problematizada posteriormente em sala de aula, mas é um primeiro contato inicial para os jovens dos anos finais do Ensino Fundamental e também do Ensino Médio.

 

Foto de Capa: Fillipe Lima/ Arquivo JS.

Jornal do Sudoeste

Materias Recentes

Categorias ,