77 3441-7081 — [email protected]

AS MULHERES!…

Fui educado enaltecendo este ser magnifico que é a MULHER. Tenho certeza e o grupo hoje,  domingo, reunido concorda que o muito que se possa falar ainda é pouco. A mulher é sempre destaque. É que os homens escamoteiam e ELA, sabida, se encolhe dando projeção “ao macho”. Já ai sinal de inteligência. Com certeza pouco sabem e poucos mais ainda saberão quem é dona CLAUDIA ANDUJAR  que “o míope” emposta a voz para sobre ela falar. Honestamente só “o míope” sabe falar sobre esta mulher de 84 anos que durante quase 40 anos viveu com os arredios e desconhecidos  índios Yanomami. Ela foi responsável pela luta e com colaboração do missionário Carlos Zacquini criou o parque Yanomami. O amor que os índios dedicam a esta senhora, hoje com 84 anos, é de empolgar. O “big gim” chega a dizer que quando morrer se tiver o privilegio de chegar até o céu e lá não encontrar D. Cláudia, de imediato e em caráter irrevogável pede transferência para onde ela esteja, mesmo que “ no inferno”. Aliás o depoimento de um índia de nome Davi Yanomami sintetiza a beleza dessa desconhecida bem feitora:

    …Ela foi como uma mãe, me ensinando a andar direito. Ela me deu a luz da sabedoria…”

Nada a comentar.

No momento o mundo anda mais conturbado que o normal graças a insanidade de grupos terroristas. O chamado e conhecido EI. Neste ponto o meditativo “míope” chamou a atenção para o batalhão composto de mulheres iraquianas que enfrentam os terroristas e com certeza, elas irão vencer. Não se entendia onde queria “o míope” chegar mas ele foi, de cima da sua “sapiência” doutoral e afirmou:

    – Os malfeitores do EI seguem ou procuram seguir regras lá do mundo árabe. E uma que poucos aqui sabem é que nenhum revolucionário maometano deseja ser morto por  uma mulher já que se isso acontece o defunto não vai para o céu… Houve silêncio. E espanto com surpresa.

As mulheres através dos tempos e na ponta dos escritos de vários autores sempre foram focadas de várias maneiras. Lá pela mitologia e o “sábio míope” hoje estava com memorias solta e já que se abordou o papel da mulher  lá no Oriente no momento ele, o “ bendito míope”, jogou sobre todos ( o vinho já iniciado) um trechinho sobre a mulher retirado do “ Elogio da Loucura” de Erasmo de Rotterdam: “…Senhor dá uma mulher ou homem, porque, embora seja a mulher um animal inepto e estupido (palavras do Erasmo, ressalta o míope) não deixa contudo de ser mais alegre e suave, e, vivendo familiarmente com o homem, saberá temperar com sua loucura o humor áspero e triste deste… “Mandamos encerrar e esquecer o Erasmo. Deve-se agora é lutar para que mulheres iraquianas vençam o Estado Islâmico. Para mim “mulher é prioridade e não atendo viver sem que elas existam”.  

Aurélio Rocha

Aurélio Rocha

AURÉLIO ROCHA É NATURAL DE “OLHOS D’ÁGUA DE DEOU”, BRUMADO, CRIADO EM PARAMIRIM; PROFESSOR TITULAR DA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ, MINAS GERAIS; JORNALISTA E AUTOR DO LIVRO “CRÔNICAS NÃO MÉDICAS”.
Categorias