77 3441-7081 — [email protected]

Bahia terá de qualificar 389 mil trabalhadores em profissões industriais até 2023

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, áreas transversais e metalmecânica demandarão técnicos capacitados em quatro anos

 

Por Juliana Gonçalves

 

O estado do Bahia terá de qualificar 389.750 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta semana.

Segundo o levantamento, entre as áreas que mais demandarão técnicos capacitados em quatro anos estão transversais (13.818); metalmecânica (9.288) e energia e telecomunicações (7.938). São chamados de profissionais transversais aqueles que trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção.

De acordo com a gerente de Educação Profissional do SENAI da Bahia, Patrícia Evangelista, essas e outras vagas de trabalho estarão disponíveis, mas o mercado vai exigir uma especialização, que pode ser adquirida por meio da formação ou qualificação técnica.

“É um caminho de acesso ao mercado de trabalho. São oportunidades que o jovem tem de acessar, seja o primeiro emprego, seja se manter no mercado, ou seja buscar uma nova oportunidade a partir de programas de qualificação”, considera.

Metalmecânica

Na Bahia, o setor de metalmecânica precisará, segundo o estudo do SENAI, qualificar 20.094 novos profissionais técnicos nos próximos quatro anos. Essa área é vista como estratégica para a indústria, já que quase todas as outras do setor produtivo dependem dela. As indústrias desse segmento transformam metais nos mais diversos tipos de produtos, como máquinas e tubulações.

Para o diretor-executivo de Tecnologia da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Alfredo Delgado, a educação profissional é o grande diferencial para quem busca uma vaga de emprego dentro do setor industrial.

“A educação profissional é a solução. Quando a gente fala de vagas nas empresas que não estão sendo preenchidas, normalmente é que a pessoa não atende os skills, ou seja, não tem o perfil que está sendo procurado”, ressalta.

Como forma de mudar a realidade de milhões de brasileiros que estão desempregados e fomentar a economia no país, o deputado federal Daniel Almeida (PCdoB) afirma que a solução é ampliar a oferta de formação técnica e profissional. “A formação técnica é absolutamente essencial para qualquer economia, para qualificar mão de obra” destaca.

Qualificação profissional

O Mapa do Trabalho Industrial mostra que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão padeiros, confeiteiros e afins (6.106) e mecânicos de manutenção de máquinas industriais (5.949).

Para quem tiver interesse em saber mais sobre alguma dessas áreas, basta acessar o site fieb.org.br ou comparecer a uma das unidades da instituição. Mais informações podem consultadas pelo telefone (71) 3534-8090.

Foto capa: Angelo Pontes/Coperphoito/Arquivo Sistema FIEB

Jornal do Sudoeste

Categorias