77 3441-7081 — [email protected]

Brumado perde mais um órgão da estrutura administrativa do Estado

DA REDAÇÃO

 

A Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), que estava subordinada ao Serviço Territorial de Apoio à Agricultura Familiar de Brumado foi transferida para Caetité – Foto: Lay Amorim/Blog Achei Sudoeste

Desde que não demonstrou interesse em formalizar a parceria, que exigiria naturalmente aporte de recursos, para sediar a base do Território de Identidade Sertão Produtivo, ainda no Governo Jacques Wagner (PT), Brumado vem perdendo o status de sede de importantes órgãos da estrutura administrativa do Governo da Bahia no município. O processo vai amplificado a partir da posse do governador Rui Costa dos Santos (PT) para o primeiro mandato, em janeiro de 2015, quando foi aprovada e iniciada a reforma administrativa.

Entre os órgãos que foram transferidos para outros municípios da macrorregião estão a Inspetoria Regional da Secretaria de Estado da Fazenda; a Diretoria Regional de Educação e Cultura (hoje Núcleo Regional de Educação) da Secretaria de Estado da Educação da Bahia; a Diretoria Regional de Saúde (hoje Núcleo Regional de Saúde) da Secretaria de Estado da Saúde da Bahia; do Departamento de Estradas e Rodagens da Bahia – Derba (hoje Departamento de Infraestrutura de Transportes da Bahia) da Secretaria de Infraestrutura de Transporte, Energia e Comunicação da Bahia, e a Agência de Defesa Agropecuária (Adab) da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura da Bahia.

No último dia 1º foi confirmada a desativação de mais um órgão da estrutura do Governo do Estado no município. A Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), vinculada ao Serviço Territorial de Apoio à Agricultura Familiar (Setaf), órgão da estrutura da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural da Bahia, foi transferida para Caetité.

A decisão do Governo Rui Costa foi associada pelo grupo liderado pelo prefeito Eduardo Lima Vasconcelos (PSB) ao resultado das eleições parlamentares de 2018, quando a população brumadense rejeitou o nome escolhido pelo gestor [empresário Márcio Moreira da Silva (Patriotas)] para representar o município na Assembleia Legislativa do Estado, contribuindo decisivamente para que candidato não conseguisse os votos necessários para conquistar uma cadeira no Legislativo baiano.

Já para setores da oposição local apontam como causa da perda de protagonismo do município o posicionamento dúbio do gestor em relação ao Governo do Estado, mas fazem questão de relacionar a perda dos órgãos a decisão adotada ainda no Governo Jacques Wagner, em 2011, quando Vasconcelos não teria se empenhado para que Brumado fosse sede do Território de Identidade Sertão Produtivo, que acabou sendo instalada em Caetité.

Jornal do Sudoeste

Categorias ,