COMO SEMPRE

De ouro se vestiu

A aurora

Enquanto eu buscava

Alento num encontro

Com o céu.

Eu não conheço o céu.

Nada sei do paraíso

E enquanto o azul

Travestia-se de amarelo,

Gritava por Deus,

Chorava por alívio.

O dia lentamente escorregou

entre dores e água escorrendo!…

Agora, enquanto a noite

se arrasta

tudo continua como sempre:

não sei do quê mesmo

preciso.

Tânia Martins

Tânia Martins

Categorias