Skip to content
77 3441-7081 — [email protected]

Declarações repercutem e Waldir Barros diz que não disse o que disse e ataca o JS

O educador, liderança política e ativista social igaporaense Waldir Pires Ribeiro de Barros foi surpreendido pela repercussão das declarações que deu ao JS criticando o prefeito José Suly Fagundes Neto – cuja gestão, apontou, estaria  contrariando não apenas os compromissos assumidos na campanha, mas o bom senso e o princípio da moralidade – e a Câmara Municipal – que teria aprovado a Lei que concede aos agentes políticos direito o Abono Pecuniário de Férias e 13º Salário “às escondidas” – e, sendo Waldir Pires Ribeiro de Barros, preferiu dizer que não disse o que disse e, repetindo a história, parafraseando o Rei Dario III, atacar o mensageiro.

Em grupos do aplicativo WatshAp, tão logo a entrevista que concedeu foi publicada pelo Portal de Notícias do JS (www.jornaldosudoeste.com), repercutiu em Igaporã e na região, Barros desmentiu suas declarações. “Jornalismo sério deve publicar na íntegra o que as pessoas falam”, destacou Barros aos seus contatos na ferramenta da internet, acrescentando que não teria dado entrevista e o que disse não condiz com o “oportunismo do jornaleco”, referindo ao JS. “Apenas respondi a umas perguntas em caráter reservado”, expos. E, não titubeando em ser o Waldir Barros em sua essência, disse que tinha gravado o teor da conversa, mas não divulgou a “gravação” que poderia corroborar com sua nova narrativa.

Prelecionador, portanto, letrado, Barros poderia ter se inspirado em Pitágoras, o grande filósofo grego, responsável por desenvolvimentos na Matemática, Astrologia e na Teoria da Música, que não deixou nada escrito, segundo historiadores, para “preservar o seu pensamento”.

Erudito, Waldir Pires Ribeiro de Barros ignorou que é preciso coragem, principalmente na seara política, para tornar público um discurso, para expor uma narrativa em defesa de um posicionamento ou de uma ideia. E acabou perdendo uma excelente oportunidade de assumir suas convicções e ganhar credibilidade ao propor um debate que poderia ser benéfico para o conjunto da sociedade igaporaense.

Restou evidente, portanto, que o corolário de ver suas declarações narradas pelo JS repercutirem negativamente principalmente entre os agentes políticos envolvidos, que segundo apurou a reportagem, reagiram com indisfarçável indignação e prometem responder, que Waldir Barros deveria entender que sua argumentação merece ser debatida com mais profundidade e envolver, inclusive, a participação da sociedade, responsável, em última análise, pelo financiamento da máquina pública e beneficiária ou vítima das ações desenvolvidas pelos entes públicos.

Até por isso, “ne nuntium necare”, Waldir Pires Ribeiro de Barros!

Redacão Jornal do Sudoeste

Redacão Jornal do Sudoeste

Desde seu lançamento, o JS vem revolucionando a imprensa regional. Foi e continua sendo pioneiro na adoção de cores em todas as suas páginas e no lançamento de suplementos especiais que extrapolam o simples apelo comercial, envolvendo a comunidade em reflexões sobre temas de interesse geral por ocasião do Natal e dos aniversários de emancipação de municípios da sua área de abrangência de circulação.
Categorias
Scroll To Top