Dezembro Vermelho: cresce número de casos de AIDS entre jovens de 15 a 24 anos

Médica de família da Kipp Saúde fala sobre a redução de diagnósticos de AIDS nos últimos anos e preocupação em relação aos jovens que estão entre os principais afetados pela doença

Por: Tamer Comunicação

 

O tema ainda é um tabu em muitas rodas de conversas por ter assombrado a década de 1980. Mas, mesmo apresentando redução no número de casos, o mundo ainda vive uma pandemia da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, popularmente conhecida como AIDS.

Segundo dados do Boletim Epidemiológico HIV/AIDS publicado recentemente pelo Ministério da Saúde, no Brasil, de 1980 até junho de 2022, foram diagnosticados mais de 1 milhão de casos de AIDS. A boa notícia é que a taxa de detecção da doença apresentou redução de 26,5% em 2021, mas ainda há um número que desperta a atenção: a infecção em mais de 52 mil jovens entre 15 e 24 anos, de ambos os sexos, evoluiu para AIDS e isso mostra que o desenvolvimento da doença nessa faixa etária precisa ser observado com cuidado.

Para a médica de família da Kipp Saúde, Clarissa Willets, a qualidade das informações a respeito do assunto deveria ser um dos focos das políticas públicas para atingir os jovens. “É preciso utilizar formas de comunicação mais segmentadas para os jovens, especialmente na internet. A UNAIDS (Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS) deixa claro que uma atenção específica deve ser destinada à juventude brasileira, tendo em vista os diferentes cenários em que eles estão – área rural, urbana, quilombolas, indígenas, periferias etc. Ações de educação mais direcionadas para esse público devem ser incentivadas, especialmente sobre prevenção, diagnóstico e tratamento”, diz.

Ainda de acordo com a médica, as políticas públicas de saúde devem focar também no estímulo à testagem e diagnóstico precoce. Além de ser fundamental um prognóstico mais favorável, o tratamento também é uma forma de prevenção da transmissão, porque indivíduos com carga viral indetectável não transmitem o vírus. O Brasil tem uma das maiores coberturas de tratamento antirretroviral (TARV) entre os países de renda média e baixa. Das pessoas estimadas vivendo com HIV, 84% já fizeram o teste, dessas, 75% estão em tratamento e, dentro deste grupo, 92% está com carga viral indetectável.

HIV x AIDS

HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana. Causador da AIDS, ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. Já a AIDS é a sigla em inglês para a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

“Ter HIV não significa ter AIDS. Existem muitas pessoas com HIV que vivem anos sem apresentar qualquer sintoma. A AIDS ocorre em uma parcela das pessoas soropositivas, ou seja, que têm o vírus HIV, especialmente quando essas pessoas não fazem tratamento antiviral durante muitos anos”, explica a médica da Kipp.

Diagnóstico e cura

A infecção pelo vírus HIV é considerada uma doença crônica que conta com tratamento eficaz. “Pessoas que aderem à terapia antirretroviral podem ficar com carga viral indetectável durante muitos anos, de modo que seu organismo funciona como o de uma pessoa que não vive com o HIV. Porém, se descontinuar o tratamento, o vírus volta a se multiplicar e a doença pode progredir para a AIDS”, comenta Willets.

A médica lembra ainda que o diagnóstico precoce é muito importante para um prognóstico mais favorável, afinal, a AIDS pode matar. Em 2020 foram mais de 10 mil óbitos pela doença.

Prevenção

A principal forma de transmissão do vírus HIV ainda é por relação sexual sem proteção, mas é possível contrair o vírus por outros meios, que incluem o compartilhamento de seringas e objetos cortantes de uso pessoal, como alicates de cutículas.

“Precisamos deixar claro, também, que picadas de inseto, aperto de mão ou compartilhamento de copos e talheres não transmite o vírus e que esse é um tabu que precisa ser quebrado”, finaliza a médica.

Dezembro Vermelho

Dezembro Vermelho é uma campanha nacional, instituída pela Lei nº 13.504/2017, que promove a prevenção, assistência, proteção e promoção dos direitos humanos das pessoas que vivem com HIV/AIDS e outras infecções sexualmente transmissíveis.

 

 

Foto de capa: Jcomp/Freepik

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

1 comentário

  1. swashannie em 22 de dezembro de 2022 às 03:38

    Olá, meu nome é maria moore. QUERO COMPARTILHAR MINHA EXPERIÊNCIA DE COMO FUI CURADO DO HIV PELA MEDICINA HERBAL. Pode parecer estranho! Nos últimos 5 anos, gastei muito dinheiro comprando medicamentos anti-retrovirais para fortalecer meu sistema imunológico e me manter saudável, até que li um artigo na internet sobre um fitoterapeuta africano que usa ervas e raízes para curar o HIV e todos os tipos de doenças. Acho que nunca acreditei que pudesse curar o HIV, mas decidi tentar porque estava desesperado. Então enviei uma mensagem para ele no e-mail ([email protected]) Ele preparou medicamentos fitoterápicos e me enviou via DHL SERVIÇO DE ENTREGA e eu atendi conforme as instruções. 11 dias depois fui ao hospital fazer check-up, saiu o resultado e testei NEGATIVO. Estou compartilhando isso com você porque acredito que há alguém por aí que também deseja ter essa cura. sinta-se à vontade para enviar-lhe uma mensagem para o seu e-mail ([email protected]) OU LIGUE E BATE UM Bate-papo COM ELE VIA IMO CHAT OU WHATSAPP +2347039225049 E TAMBÉM Bate-papo COM ELE ATRAVÉS DA COMUNIÇÃO VIBER e tenho certeza de que ele está disposto a ajudá-lo e você também terá um testemunho a compartilhar. informar as outras vítimas sobre isso. DIABETES {1} HIV / AIDS {2 CANCRO {3} HERPES {4} (5} HEPATITE B (6} HPV …

Deixe seu comentário

Categorias ,