Dor lombar crônica pode afetar até 80% da população adulta em alguma fase da vida

Pesquisa da UFSCar estuda a temática e convida voluntários de todo o País para avaliações e intervenções gratuitas

 

Por CCS-UFSCar 
Estudos recentes mostram que a dor lombar crônica (DLC) é experimentada por 70 a 80% dos adultos em algum momento da vida, sendo que cerca de 23,5% da população mundial apresenta esse tipo de dor. No Brasil, estatísticas revelam uma variação entre 4,2% e 25% dos indivíduos com o problema, mas a falta de estudos epidemiológicos não permite aferir valores que reflitam o real impacto dessa dor entre a população. Nesse cenário, uma pesquisa realizada no Laboratório do Estudo da Dor e Funcionalidade no Envelhecimento (Ladorfe), do Departamento de Gerontologia (DGero) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), aborda a dor lombar crônica inespecífica (DLCI) em idosos utilizando, também, abordagens do pilates e da Educação em Neurociência da Dor (END).
O trabalho é realizado pela graduanda em Gerontologia da UFSCar Maria Júlia da Cruz Souza, sob orientação de Karina Gramani Say, docente do DGero e coordenadora do Ladorfe, e tem financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). A pesquisa vai avaliar a influência da END, associada ao método pilates, no entendimento, na intensidade e no enfrentamento da DLCI em pacientes idosos, com uso ou não de abordagens educativas.

Dor lombar
A DLC ocorre na região lombar inferior e pode irradiar para as pernas, com duração maior do que três meses. É considerada inespecífica quando a causa da dor não está relacionada à alteração estrutural, lesão óssea ou articular, escoliose ou lordose acentuada. De acordo com Karina Say, ter dor lombar na velhice faz com que muitos idosos tenham dificuldade em realizar as Atividades Básicas de Vida diária com o seu autocuidado como vestir-se, tomar banho, e Instrumentais de Vida Diária como fazer compras, ir ao supermercado.
A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) aponta que esse tipo de dor pode aumentar o declínio da capacidade funcional, diminuindo o desempenho da realização das atividades e aumentando a dependência dos idosos. “Além de afetar os domínios físicos da saúde, tem impacto também nos domínios psicológicos e sociais sendo fator de risco para ansiedade, depressão e isolamento social”, complementa a docente da UFSCar.

Educação em Dor e Pilates
A Educação em Neurociência da Dor (END) consiste, em linhas gerais, em ensinar o paciente a compreender o processo fisiológico da dor e encará-la como um mecanismo de sobrevivência cujo propósito é proteger o corpo. Além disso, implica mostrar que a dor também está no cérebro e não é apenas uma sensação física. Em relação ao pilates, a orientadora do estudo relata que “já há evidência na literatura que o repouso não beneficia quem tem dor crônica e que o melhor tratamento para a dor lombar é o exercício físico, é se manter ativo e, entre eles, o pilates tem ótimos resultados no controle da dor e na recuperação da função da coluna, pois atua no movimento corporal, flexibilidade, força muscular e postura”, considera Say.
No entanto, a docente aponta que apenas focar na parte física não será suficiente para controlar a dor, por isso o tratamento baseia-se em identificar os fatores específicos do paciente em relação à sua dor e utilizar as informações coletadas a fim de proporcionar mudanças em seus pensamentos e crenças. “É nesse sentido que a Educação em Neurociência da Dor torna-se uma parte fundamental no tratamento dos indivíduos com dor crônica. Os melhores tratamentos hoje são de END e exercícios para pessoas com dor lombar”, garante Karina Say.

Voluntários
Estão sendo convidados voluntários, homens ou mulheres, entre 60 e 75 anos de idades, de qualquer região do País, com dor lombar crônica há pelo menos seis meses. O projeto contemplará os participantes com avaliações iniciais e finais, três sessões de Educação em Neurociências da Dor, 12 sessões de pilates e, também, o uso de uma cartilha e de um aplicativo para orientações. Em virtude da pandemia, todas as atividades serão realizadas de forma online e os voluntários precisam ter acesso à Internet.
As atividades começaram neste mês de maio, mas os interessados ainda podem se inscrever no projeto por meio do preenchimento deste formulário (https://bit.ly/3y2hUr0), que leva cerca de 15 minutos. Outras informações podem ser solicitadas pelo e-mail [email protected]. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSCar (CAAE: 26350719.0.0000.5504).

Foto de Capa: Pixabay.

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,