77 3441-7081 — [email protected]

Jair Bolsonaro é eleito 38º presidente do Brasil

Por Redação

Jair Messias Bolsonaro (PSL) foi eleito presidente do Brasil, neste domingo (28), após apuração das urnas. O deputado federal derrotou Fernando Haddad (PT), com quem disputou a cadeira presidencial no segundo turno das eleições de 2018. Com mais de 99% das urnas apuradas, , o Capitão da Reserva do Exército obteve 55,13% de votos, enquanto o petista deixou a competição com 44,87% votos válidos.

Esta é a 10º vez em que um militar ocupa a Presidência desde a Proclamação da República, em 1889, sendo a terceira fez por meio do voto direto.

Perfil do presidente eleito

Família e formação – Jair Messias Bolsonaro é natural de Campinas, no interior de São Paulo. Ele nasceu em 21 de março de 1955 e ascende de imigrantes europeus (italianos e alemães).  Militar do Exército e professor de Educação Física, é filho de Percy Geraldo Bolsonaro e Olinda Bonturi Bolsonaro. O presidente eleito tem cinco filhos: Flávio, Carlos, Eduardo, Renan e Laura.

Em 1977, Bolsonaro concluiu curso de oficiais pela Academia das Agulhas Negras (Aman), por onde passaram também os ex-presidentes Deodoro da Fonseca (Governo entre 1889 – 1891), Floriano Peixoto (1891-1894), Eurico Gaspar Dutra (1946-1951), Castelo Branco (1964-1967), Costa e Silva (1967-1969), Emílio Garrastazu Médici (1969-1974), Ernesto Geisel (1974-1979) e João Figueiredo (1979-1985).

Posteriormente, Bolsonaro graduou-se em Educação Física, em 1983, também pelo Exército. Até 1987, Bolsonaro concluiu diversos cursos no Exército, onde chegou a patente de capitão, quando foi para a reserva.

Em 1986, ganhou destaque no país ao ser preso por 15 dias depois de escrever o artigo “O salário está baixo”, na revista Veja. Para ele, os cadetes das Agulhas Negras estavam se desligando da Academia por causa da situação salarial.

Política – Com o fim da Ditadura Militar (1964-1985), Bolsonaro filiou-se ao PDC e concorreu para vereador na cidade do Rio de Janeiro e foi eleito em 1988. A vida na Câmara do Rio de Janeiro foi curta. Isso porque, dois anos depois, ele se elegeu para Câmara dos Deputados, onde permanece até assumir o cargo de presidente da República.

Neste período como vereador e deputado federal, Bolsonaro foi filiado aos seguintes partidos: PDC, PP, PPR, PPB, PTB, PFL, PSC e PSL.

De acordo com dados da Câmara dos Deputados, Bolsonaro tem 642 registros de Projetos de Lei, Requerimentos, Pareceres e outras preposições apresentadas.

Uma das propostas que aparecem prontas para votação em plenário é sobre “ações contra terroristas”, que cria o Sistema Nacional Contraterrorista (SNC), uma espécie de grupo de inteligência com a finalidade de evitar ações terroristas em território brasileiro.

“Não podemos nos apoiar no fato de que o Brasil não tem sido, aparentemente, alvo do terrorismo internacional para deixar de nos precaver contra essa ameaça. Nossa tradição pacífica e nosso respeito à diversidade têm emitido sinais à comunidade internacional capazes de desestimular, em parte, vontades antagônicas aos nossos interesses, mas, certamente, não o fazem em relação aos dos nossos visitantes, cuja segurança e integridade, enquanto estiverem em nosso solo, estão entre as mais caras responsabilidades nacionais”, diz trecho da justificativa do projeto.

No período em que esteve na Câmara dos Deputados, a segurança foi um dos principais focos do deputado.  Em uma outra proposta, acrescenta a pena de três a oito anos de prisão para “furto de defensivos agrícolas, seus componentes e afins”. Há também propostas que autorizam posse de arma para qualquer cidadão poder se defender da criminalidade que assola o Brasil.

Governos do PT – Jair Bolsonaro ganhou holofotes durante os Governos do PT. Isso porque o parlamentar fez forte oposição aos Governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, especialmente no combate à corrupção. Votou pelo impeachment da petista Dilma e pela abertura de investigação contra o presidente Michel Temer (MDB), que como os Governos do PT, também foi alvo de acusações de ações não republicanas.

Uma das principais polêmicas ocorreu sobre material de Educação Sexual Infantil propostas pelo Ministério da Educação, conhecido popularmente como “kit-gay”. Acusado de homofobia, Bolsonaro sempre negou. Disse que apenas foi contra – e fez oposição severa – contra a proposta do MEC em distribuir material de Educação Sexual para crianças com menos de 10 anos.

Antônio Luiz da Silva

Categorias ,