Malária: O que é, sintomas e como evitar

Neste episódio a Dra. Helena Rangel dá mais detalhes sobre o assunto

Por: Brasil 61

Você mora ou vai visitar algum desses estados: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Já ouviu falar de malária?  Conhece os sintomas, riscos e tratamento? Neste episódio a Dra. Helena Rangel dá mais detalhes sobre o assunto.

No Brasil, a malária acontece quando o ser humano entra em uma floresta fechada ou em áreas rurais para fazer turismo, para trabalhar ou porque está perto de sua casa e é picado por um mosquito chamado Anopheles, popularmente conhecido como mosquito-prego, carapanã ou muriçoca. As fêmeas desse mosquito picam geralmente de manhãzinha ou no entardecer e junto com a picada, elas transmitem um protozoário chamado Plasmodium, que pode ser de várias espécies. Dependendo da espécie, os sintomas começam de 8 a 30 dias depois da picada, que pode passar despercebida.

Os principais sintomas são:

  • Febre alta
  • Tremores
  • Calafrios
  • Suor intenso
  • Suor de cabeça
  • Dor no corpo
  • Náuseas
  • Vômitos.

Os casos graves podem se manifestar de várias formas:

  • Dor abdominal intensa
  • Coloração alaranjada da pele ou mucosas amareladas
  • Anemia grave e mucosas muito pálidas
  • Redução do volume da urina
  • Vômitos muito intensos
  • Confusão mental, crise convulsiva, prostração intensa
  • Falta de ar

Portanto, se notar esses sintomas, você precisa relatar para um profissional de saúde, porque se você frequentou algum local onde há transmissão de malária, o médico precisa saber para prescrever o tratamento. O tratamento deve ser definido de acordo com a espécie de Plasmodium correta.

E como é feito o diagnóstico da malária?

O diagnóstico geralmente é feito por meio de exames de sangue, que será submetido a uma análise microscópica por uma pessoa que é treinada para olhar no microscópio e reconhecer o protozoário. Ou seja, a pessoa já sabe a espécie pela lâmina.  Esse conhecimento técnico é muito importante porque cada espécie tem um tratamento diferente. Em alguns lugares é possível fazer o teste rápido, em que colocamos o sangue em um potinho e ele passa por uma fita absorvente que muda a coloração quando o resultado é positivo.

Prevenção

A prevenção começa por meio de medidas comportamentais. É importante lembrar do horário em que o mosquito pica: geralmente fim da tarde, começo da manhã, além do período da noite; por isso, sempre se recomenda usar mosquiteiro para dormir e repelentes. Se sair de casa nesses períodos, use camisetas de manga longa, calça comprida e com cores claras para poder observar o mosquito.

Foto de capa: Reprodução/Canal Doutor Ajuda

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,