77 3441-7081 — [email protected]

Não quebre a corrente

 

“Não quebre a corrente!”

– O que, criatura?

“Não quebre a corrente!”

– Qual corrente? Onde está essa bendita corrente que você anda pela casa avisando a todo mundo que não deve quebra-la?

“Não quebre a corrente!”

– Você está ficando louca é? Conta pra mim: que corrente é essa?

Sem ouvir qualquer explicação Ela viu a moça calçar os tênis, repetindo sem parar aquilo que parecia um mantra, e sair correndo porta a fora.

Hora e meia depois voltou como se nada tivesse acontecido.

Sorridente, feliz e suada.

Ela que havia ficado com aquele “mantra” na cabeça foi logo perguntando:

– Cadê a corrente?

“Corrente? Que corrente?”

– A corrente que você levanta todo dia, feito zumbi, falando: “Não quebre a corrente, não quebre a corrente.” Parece que está ficando doida e quer me enlouquecer também. Cadê a corrente?

A essa hora a moça já estava pronta para sair outra vez e antes que Ela entendesse de fato o que se passava ganhou um beijo estalado na testa e escutou:

“Um dia te explico, mas o que vale pra hoje, só pra hoje é uma coisa: não quebre a corrente.”

Falou e saiu sorridente.

Todos os dias era a mesma coisa, a Moça acordava cedo falando como quem reza: “Não quebre a corrente, não quebre a corrente”, e saia para correr.

Sem quebrar nenhum elo da corrente durante aquela semana, aquele mês e aquele ano, a Moça se exercitou cinco dias a cada semana.

Nos dias de frio, calor, preguiça e tempestade.

Sem deixar passar um dia, um só dia.

Quando a preguiça parecia ter braços fortes e estar deitada com ela surgia lá no fundo, meio que sonolenta a vozinha que dizia: Não quebre a corrente.

Ela ia se tornando cada vez mais audível até que de uma minuto para o outro já estava saindo de seus lábios e a rua passando sob seus pés: não quebre a corrente.

Tinha certeza que se deixasse de correr uma vez, colocaria tudo a perder.

“Não quebre a corrente.”

E assim, um ano após a primeira corridinha despretensiosa, estava correndo maratonas, pois decidira, um dia por vez, não quebrar a corrente.

Vivi Antunes é ajuntadora de letrinhas e assim o faz às segundas, quartas e sextas no www.viviantunes.wordpress.com

 

 

 

 

Adão Lopes

Adão Lopes

Adão Lopes é mestre em tecnologia e negócios eletrônicos e CEO da Varitus Brasil.
Categorias