77 3441-7081 — [email protected]

O lulismo não pode fugir jamais de sua responsabilidade histórica

Alguns membros do Partido dos Trabalhadores parece que destituídos, de razão e movidos simplesmente por paixão, vêm defendendo uma tese no mínimo estranha para quem sabe como funcionam as regras do poder no Brasil. Não se sabe qual o fundamento, e nem onde se quer chegar com isso, mas vêm defendendo que se Lula não for candidato o partido deve boicotar as eleições de outubro.
Não se sabe com que força esses membros, que obviamente devem não representar a opinião geral do partido, vão conseguir convencer aos brasileiros para não irem às urnas para votar, mesmo que não seja em Lula. Pelas regras eleitorais atuais se o PT não participar das eleições ela não deixará de existir, o que acontecerá é o PT ficar de fora.
Espera-se que a grande farsa caia em tempo de Lula ser candidato, porque é a sociedade brasileira que está dizendo que quer ele de volta. Porém se ele não for candidato, infelizmente não vai ser apenas uma agremiação partidária que vai cancelar as eleições. E tudo que partidários da direita inimigos (inimigos porque não são adversários políticos) do PT e do lulismo querem é que o próprio entregue tudo de graça sem participar. Seria a glória da direita subjugar o inimigo sem lutar.
Como parece que não é nem consenso e nem a opinião geral do PT, esses membros precisam se atentar para a própria história recente, pois ninguém está brincando de fazer política, e principalmente o PT não tem o direito de depois de ser o grande coordenador da esquerda brasileira tornar-se irresponsável de uma hora para outra. A história é isso aí, não iria ter golpe e teve, não se aprovaria reformas irresponsáveis e elas foram aprovadas, Temer deveria cair e não caiu, Lula não seria preso e foi, e agora acreditar que se boicota eleições tão fácil assim, é acreditar em Papai Noel antes do natal!
Eleição sem Lula não é fraude para a direita, é apenas para a própria glória dela eleição sem ele e o PT, porque o povo não deixará de votar e participar do processo, porque voto não é facultativo no Brasil, e além disso, é uma grande festa. Se tem alguém que está com medo tem que entregar o bastão, porque o próprio Lula sabedor de sua importância e responsabilidade não vai fazer isso.
Aqui não é uma crítica destrutiva contra o PT, como o maior partido político brasileiro, mas uma crítica construtiva aos membros que assumiram um patológico hegemonismo, que está aos poucos construindo um autofagismo na esquerda que não está ajudando em nada, aliás está deixando alegre a direita mais nojenta que a história brasileira já teve. Ou acha que se em torno de 30% dos cidadãos não votarem o eleito não assume? Juízo gente!
Genaldo de Melo

Genaldo de Melo

Genaldo de Melo, 43 anos, sergipano radicado em Feira de Santana - Bahia. Gestor social e articulista. Desenvolve consultoria em elaboração de projetos sociai
Categorias