O velho presepeiro quer voltar ao poder

Lula, em encerramento do 9º Congresso da Força Sindical, em Porto Alegre, cobra atuação mais forte de sindicatos em geral, argumenta que o sindicato precisa voltar a ser um órgão de contestação, faz crítica ao teto de gastos, à reforma trabalhista e à política econômica e social do governo Jair Bolsonaro e diz que ninguém gosta de viver de Bolsa Família. Aliás, instigar a pelegada sindicalista é uma velha prática de um político matusalém.

Lula é outro presepeiro hipócrita. O PT passou mais de 13 anos no poder e foi incapaz de

reduzir substantivamente com efeito duradouro a situação de pobreza (extrema) de milhões de famílias brasileiras.

Com medidas eleitoreiras, sim, o PT aglutinou todos os programas assistencialistas existentes e criou o Bolsa Família, mas não apresentou a essas famílias condições de sair do estado de miserabilidade.

Tanto Lula quanto os demais governos, incluindo o de Jair Bolsonaro, jamais apresentaram medidas concretas para a erradicação da miséria. Nunca existiu no governo do PT programas constitucionais de inclusão social, com plataformas de educação e formação das camadas mais necessitada voltadas ao mercado de trabalho.

A manutenção de bolsas esmolas pelos governos é uma forma de manter o curral de votos aos políticos, por isso, os bolsões de miserabilidade jamais deixarão de existir.

O Brasil não precisa de bolsas assistencialistas, mas sim de programas de educação voltados para o trabalho, executados nos núcleos conflagrados de miséria.

Lula é um político que deveria ser esquecido por seu comportamento corrupto. Está em liberdade graças aos claudicantes membros de nosso sofrível STF, o qual endossa condenações e depois manda desfazê-las.

Lula deveria explicar como um político, só vivendo de política, pode ostentar patrimônio tão robusto. Isso explica que vale a pena ser político no país, pois o enriquecimento por meios ilícitos não dá cadeia.

Lula finge desconhecer, como é de seu feitio e de outros políticos, que o PT deixou o país quase na bancarrota. Com mais de 13 milhões de trabalhadores desempregados até hoje, empresas falidas, inflação alta, descredito na comunidade financeira internacional, Petrobras saqueada, e sem esquecer que a plebe, por sugestão do PT, foi às compras, viajou de avião etc. e depois ficou com a dívida espetada no SPC por não poder pagar.

Chega de aventureiros na direção do país. O país precisa de um presidente com envergadura moral para trabalhar pelo Brasil.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado. Balneário Camboriú-Santa Catarina.
Categorias

Deixe seu comentário