Para não falar de pais

Neste Dia dos Pais não vou falar de pais e de filhos. Será? Acho que vou, sim, vou falar de filhos, mas vou falar mais de netos. Digo isso, porque minha filha me deu, recentemente, um presente incomensurável para este pai que já vai ficando marcado pelo tempo, presente esperado e desejado. Ela me deu um neto, Rio, que chegou em abril e, é claro, eu e a vó nos mudamos de mala e cuia para Lisboa para encher os olhos e o coração com essa alma encantadora e abençoada que acaba de chegar a este mundo, tornando-o tão melhor.

Então, não quero falar de pais, quero falar de fihos, pois sem eles, como ser avô? Então agradeço  às minhas filhas pelo milagre de nos dar a vida de presente. E quero falar  de avós, pois avós são pais encantados pela beleza e pela magia de um ser que representa recomeço, representa o futuro, a vida, enfim. Representa a descoberta de sentimentos que não sabíamos que éramos capazes de ter.

Já tenho mais de sessenta e, quando minhas filhotas vieram, para nos darem os motivos maiores de viver, eu já tinha completado trinta. Então, o tempo para eu ser avô também foi jogado um pouquinho pra frente, eu já estava ficando um pouquinho triste com a demora da chegada dessas criaturinhas maravilhosas que são mais que filhos, são os netos, abençoados netos que significam o resgate da criança que havia em nós, das crianças que nossas filhas foram, nossas meninas que cresceram e foram viver suas vidas, deixando a casa vazia de suas presenças, de suas almas, mas cheia de saudade.

E a vida acontece de novo, esplendorosa, explodindo em nossas mãos. São os netos chegando: Daniela nos deu Rio, a pessoinha mais neta do mundo, mais linda e mais fantástica, uma felicidade nova, uma felicidade que a gente não conhecia. E é bom ser feliz, sentir essa felicidade que começa nos outros e vem e toma a gente de roldão. Essa felicidade tem um nome, agora: Rio. O neto. E descobrir novas felicidades é divino. Ser avô é isso. Obrigado, Daniela. Obrigado, Rio. Feliz Dia dos Pais a todos os pais e avôs. Ser feliz é tudo. Tive o meu primeiro Dia dos Avós, este ano e ele foi muito feliz. Dias Felizes, muito felizes.

Luiz Carlos Amorim

Luiz Carlos Amorim

Coordenador do Grupo Literário A Ilha em SC, com 31 anos de atividades e editor das Edições A Ilha, que publicam a revista Suplemento Literário A Ilha e mais de 50 livros editados. Eleito Personalidade Literária de 2011 pela Academia Catarinense de Letras e Artes. Ocupante da cadeira 19 da Academia Sul Brasileira de Letras. Editor do portal ProsaA, Poesia & Cia. (Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br ) e autor de 27 livros de crônicas, contos e poemas, três deles publicados no exterior.  Blog:  http://lcamorim.blogspot.com
Categorias