Primeira noite do Festival faz memória aos anos 80 e 90, e consagra músicas para todos os estilos

Por Ana Flávia Magalhães e Gabriela Couto

 

A cidade de Vitória da Conquista espera o ano inteiro para chegar agosto. O Festival de Inverno Bahia chega em 2019 a sua 15ª edição, trazendo para o público novos sons, e também alguns artistas já conhecidos.

A primeira noite, nesta sexta-feira, 23 de agosto, começou com o show do cantor Roberto Frejat, que também esteve na primeira edição do evento, em 2005, e já é um veterano do palco principal. Frejat trouxe para a cidade o show “Tudo se transforma”, faixa lançada por ele em 2017, e apresentou um show recheado de clássicos, da época do Barão Vermelho e da sua carreira solo. Apesar disso o público não desanimou, pelo contrário, acompanhou todas as músicas junto com o cantor, que homenageou grandes nomes da música brasileira, como seu parceiro Cazuza e Cássia Eller, ídolos da mesma geração que revelou o artista para o Brasil, nos anos 80. 

Depois de ter cantado a música “Ideologia”, Frejat falou sobre a importância dessa letra, no atual cenário político no nosso país.”Na verdade eu acho que você tem que ter uma ideologia pra viver. A ideologia que a gente fala não é necessariamente a política, mas ela é política sim, porque viver é político. Mas a gente tem que ter essa visão que independente da polarização que existe hoje na nossa sociedade, a ideologia é muito importante, para que você não acredite no que os outros falam, é importante que você tenha suas próprias visões.”.

Dilsinho, segunda atração da 1ª noite do Festival.

Dilson Scher, é o nome de Dilsinho, segunda atração desta primeira noite, e um dos estreantes do Festival, que fez também o seu primeiro show em Vitória da Conquista. Ele, que começou a carreira como compositor, vem se firmando como um destaque dessa nova geração de pagode, e mostrou pro público as já conhecidas “Refém”, “Péssimo negócio”, e a música com Ivete Sangalo, estrela baiana que também se apresentará nesta edição do Festival, “Ioiô”. Dilsinho também mostrou as suas referências musicais, tocando músicas de Raça Negra, Cuca, Alexandre Pires e Sandy & Júnior.

Dilsinho falou sobre o início da sua carreira como cantor, apesar de ser compositor há muitos anos, ele teve que vencer a timidez para conseguir subir aos palcos: “eu tinha uma dificuldade de me apresentar nos lugares, mas meu pai me ajudou muito nisso, ele me levava pra todos os lugares e falava ‘eu quero que você cante’, e assim eu fui perdendo um pouco a vergonha, e fui ganhando segurança pra cantar.”.

Marília Mendonça lota arena do Palco Principal.

A última atração a se apresentar no palco principal foi a cantora sertaneja, Marília Mendonça. Apesar de estar acostumada com o público da cidade, a cantora também fez a sua estreia no Festival e veio trazendo seus antigos sucessos, e também canções novas do seu projeto “Todos os cantos”, gravado em diversas partes do Brasil. E a cantora goiana era a atração mais esperada da noite pelo público, seu show foi o mais lotado, tanto que nós, profissionais da imprensa, encontramos dificuldade em fazer registros fotográficos dos show, isso foi relatado por diversos colegas. 

Marília foi no início da sua carreira com “Infiel”, e colocou o público para chamar ela de Marília Mendonça ou de Falcão, com a música “Serenata”, grande sucesso dessa cantora que é uma fábrica de hits. Qualquer música que ela cantava, prontamente era acompanhada por um público devoto. A mamãe do ano – Marília Mendonça está grávida – fez uma passagem nos anos 90 e lembrou de cantores como Maurício Manieri e Sandy&Júnior.

Denis Oliveira, de Teixeira de Freitas, com amigos.

E tem gente que vem de longe para curtir o Festival, no meio da multidão que compareceu ao primeiro dia do evento, encontramos Denis Oliveira, de Teixeira de Freitas. Ele diz que veio com os amigos especialmente para prestigiar o ídolo Frejat, mas garante presença em todos os dias de festa.

SONS PARA TODOS OS GOSTOS

A mistura de ritmos sempre foi a marca do Festival de Inverno Bahia, e essa 15ª não está sendo diferente. A Arena Eletro Rock e a Vila da Música contemplam os espaços destinados a diversidade de estilos musicais e também a valorização de artistas da cidade. Antes do show do Palco Principal, a banda Nêspera fez a sua estreia na festa e trouxe para o público o som do rock baiano dos ano 90. Passaram também pela Arena Eletro Rock  Bernadino Band e os DJ’s Falcão e David.

Bernardino Band anima Arena Eletro Rock.

E para quem gosta de Forró, o Trio Lisbela  fez o início da noite no Vila da Música. Mas teve também o romantismo sertanejo do soteropolitano Danniel Vieira, a banda Lê Kum Krê, e a cantora Robertinha.

O soteropolitano Danniel Vieira na Vila da Música.

Jornal do Sudoeste

Categorias ,