Queda no preço dos combustíveis reduz expectativa do mercado para inflação, aponta BC

Relatório Focus aponta para inflação de 5,76% em 2022. Apesar de redução para baixo, previsão ainda está mais de 2% acima da meta

Por: Álvaro Couto/Brasil 61

No penúltimo relatório Focus do ano, o Banco Central revisou para baixo a expectativa para a inflação deste ano. A nova previsão é que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – cálculo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) que mede a variação do preço de produtos e serviços no varejo, referentes ao consumo pessoal das famílias –, feche o ano em 5,76%, 0,03 ponto percentual a menos do que o calculado na semana passada (5,79%).

Para o economista Mauro Rochlin, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o anúncio de redução do preço da gasolina e diesel feito pela Petrobras teve papel importante na redução da previsão do IPCA. “A queda do preço do petróleo permitiu essa redução no preço dos combustíveis e isso certamente influenciou a pesquisa Focus que foi divulgada esta semana”, comenta o especialista.

Ainda assim, a inflação vai fechar o ano acima da meta anunciada pelo Banco Central, que é de 3,5%, e até da margem de 1,5% para mais ou para menos. Isso, segundo o conselheiro do Conselho Regional de Economia (Corecon-DF) Guid Nunes, ocorreu por diversos fatores, principalmente externos.

“Problemas do preço do petróleo que aumentou o custo da energia, a inflação na Europa e Estados Unidos. Então o custo aumentou bastante para os demais países – e isso nos afetou também. Os nossos produtos agrícolas, que subiram bastante do ponto de vista de potencial de exportação, provocaram também um efeito interno. E, junto com isso, a guerra da Ucrânia”, elenca o economista.

Mas se a inflação em 2022 mostra recuo, os analistas do mercado financeiro elevaram as expectativas para os anos de 2023 e de 2025. De acordo com as instituições ouvidas, a tendência é que a inflação suba 5,17% em 2023, índice anteriormente previsto em 5,08%; e 3,10% em 2025, para quando era esperada alta de 3,02%. Para 2024, a variação dos preços prevista permaneceu em 3,50%.

PIB

Além disso, as mais de 100 instituições financeiras consultadas semanalmente pela autarquia brasileira também passaram a projetar um Produto Interno Bruto (PIB) maior tanto este ano quanto no ano que vem. Há duas semanas, o crescimento do PIB para 2022 passou de 2,80% para 3,05%.

Rochlin entende que essas revisões do PIB feitas pelo Banco Central refletem um otimismo do mercado com a propostas do novo governo para mais investimento do setor público na economia, ainda que num nível muito aquém do ideal. “A gente tá acompanhando a negociação com relação a PEC da Transição, essa que contempla um bolsa família de R$ 600, e esses estímulos fiscais devem ajudar a que haja um crescimento um pouco maior no ano que vem.” A previsão para 2023 é que a economia brasileira cresça 0,79%, 0,04 p.p. a mais do que o previsto na semana passada.

Esse pessimismo é acompanhado por Nunes, que analisa o cenário internacional: “Para 2023 teremos uma recessão econômica. Queda na taxa de crescimento da China, isso afeta o mundo e, junto com isso recessão econômica na Europa e Estados Unidos também não vão nos pressionar, quer dizer, vão nos trazer dificuldades para a economia brasileira.”

Relatório Focus

Divulgado semanalmente pelo Banco Central, o Boletim Focus é um relatório que resume as projeções do mercado para a economia. Ele é formulado a partir de pesquisas macroeconômicas realizadas por instituições como bancos, consultorias, corretoras, universidades e distribuidoras.

Também chamado de Relatório Focus, ele é publicado toda segunda-feira no site oficial do Banco Central do Brasil e reúne uma série de indicadores, como projeções da inflação, PIB e câmbio. O relatório ajuda a desenhar o cenário econômico, bem como comparar os resultados da semana anterior e de quatro semanas antes, o que ajuda a visualizar a tendência dos indicadores.

Foto de capa: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,