Warning: file_put_contents(/home/jornaldosudoeste/www/wp-content/uploads/bb-plugin/cache/507715c0ffd09cc55b230a34bdd15d9d-layout-bundle.css): failed to open stream: Disk quota exceeded in /home/jornaldosudoeste/www/wp-content/plugins/bb-theme-builder/classes/class-fl-theme-builder-layout-renderer.php on line 231
77 3441-7081 — [email protected]

Tema da redação do Enem não deve ser preocupação dos estudantes, aconselha especialista

Candidatos devem concentrar esforços em trabalhar soluções de problemas e treinar habilidades de escrita para construir texto com calma e sem contradições; 1° prova acontece em 4 de novembro

 

Por Giulia El Halabi

 

Na virada do segundo semestre, quando o Exame Nacional do Ensino (Enem) começa a se aproximar, estudantes de todo do Brasil dão início a uma jornada de palpites sobre possíveis temas a serem trabalhados na redação da prova. Assuntos da atualidade, discussões que estiveram nas capas dos jornais, novas leis e acontecimentos marcantes, entram na lista de sugestões. Conhecido por propor temas de impacto social, em 2017 o Exame sugeriu que os estudantes refletissem sobre o “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”.

Para a coordenadora do curso de Letras do Centro Universitário Internacional Uninter e orientadora do Pré-Enem Uninter, Paula Reis, apesar da óbvia importância de trazer à tona a discussão sobre inclusão de surdos na sociedade, o assunto pegou diversos candidatos de surpresa devido à falta de preparação para pensar em soluções. “Não foi o tema que os surpreendeu, mas, sim, o fato de não estarem ainda habituados a refletir sobre o que os rodeia”, acredita.

De acordo com a orientadora do Pré-Enem Uninter, os estudantes podem ficar tranquilos quanto ao assunto a ser cobrado na avaliação; o importante é canalizar energias de estudo em como pôr no papel seus argumentos sem perder na lógica quando confrontado com problemas. “Há uma infinidade de possíveis temas e que jamais serão esgotados. Além disso, ninguém oferecerá uma ideia brilhante capaz de sanar todos os problemas do mundo e os corretores sabem. Foque em oferecer soluções possíveis, pequenas mudanças com teor cidadão, mas efetivas. Já valem o ponto”, aconselha.

Na visão dos avaliadores do Exame, afirma, o mais importante é que o candidato consiga por meio das palavras e posicionamentos demonstrar noções claras de cidadania, de participação social. “O efeito surpresa do tema é justamente para detectar quem tem esse perfil”, ressalta Paula. Por isso, tentar descobrir o tema não deve ser uma preocupação dos estudantes: esqueça o discurso pronto e invista em reflexão sobre o que acontece no Brasil.

Cinco áreas de avaliação: como se sair bem

Uma das características mais fortes do Exame, explica Paula, é a exigência de propor soluções a problemas da sociedade de maneira argumentativa. Assim, o foco dos candidatos deve ser trabalhar seu potencial de criar conclusões frente às dificuldades sociais. “Nós vivemos em um país de desigualdades. O mais importante não é descobrir qual desigualdade será colocada em discussão, mas saber que existem e querer resolvê-las”, sugere a coordenadora.

Competência número 1  – Demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita.

Competência número 2 – Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento, para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Competência número 3 – Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Competência número 4 – Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Competência número 5 – Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Na redação, são cinco áreas de avaliação; cada uma com valor máximo de 200 pontos. Ao fazer exercícios de treinamento, os estudantes devem ser “menos apaixonados” e pensar em detalhes como o domínio da Língua Portuguesa e construção de texto com começo, meio e fim. “Preocupem-se em saber como fazer rascunho sem rasurar o documento da prova, construir um texto com começo, meio e fim, a ser pontual e não se desesperar”.

No entanto, é importante que os estudantes fiquem atentos para não ferir a Constituição brasileira no texto. “É um concurso como qualquer outro de nível federal e que não permite expressão de ofensa, injúria ou calúnia no texto. Precisamos conscientizar os estudantes que preconceito não é opinião e jamais será um argumento válido”, finaliza.

Jornal do Sudoeste

Materias Recentes

Categorias